NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

A Fresh 52 assinou, no ano passado, um contrato de investimento com a AICEP, que prevê instalar uma unidade de produção de cenouras bebés em Almeirim. O projeto ainda não saiu do papel. A concretizar-se, será um dos maiores do mundo.

O plano é ambicioso.

 

Mais de cinco mil hectares de terra, para os quais já existe um contrato de promessa de compra e venda, cerca de 50 milhões de euros de investimento e a criação, numa primeira fase, de mais de 180 postos de trabalho.

 

Almeirim está apostos para se tornar na capital europeia das cenouras bebés, assim que o projeto da empresa Fresh 52 vir a luz do dia Parte com o objetivo de ser o terceiro maior do mundo neste nicho de mercado. Em maio do ano passado, a empresa assinou um contrato com a AICEP (Agência para o Investimenta e Comércio Externo de Portugal), que prevê um incentivo público para a construção de uma unidade de produção, pro cessamento e embalamento de cenouras bebés. Os trabalhos de construção já deveriam ter arrancado. A fábrica deveria começar a laborar em 2021, mas a pandemia deixou o projeto em suspenso.


Ao Negócios, a AICEP confirma que "contratualizou com a em presa Fresh 52 a realização de um investimento que ainda não está no terreno, tendo sofrido atrasos durante este ano devido à situação de pandemia". A agência não revela de quanto será o investimento público, nem quando será pago. Adianta apenas que "o incentivo final dependerá do investimento elegível efetivamente realizado e comprovado, não tendo ainda sido pago qualquer valor até à data".


O acordo entre as duas partes explicita que "o montante de investimento em causa ascende a cerca de 49,8 milhões de euros, prevendo-se com este projeto o alcance, no ano de 2027, de um volume de vendas e prestação de serviços de cerca de 326,9 milhões de euros".


Além da fatia pública, o projeto terá financiamento bancário e privado, revela fonte oficial da em presa "Estamos entusiasmados por criar a Fresh 52 em Portugal. Esperamos começar a construção no início de 2021.0 apoio do Governo português é crítico e estamos a aguardar pela sua confirmação final", destaca a mesma fonte.


O desbloqueio do incentivo deverá ser adiado para 2021, a pedido da empresa, que se escuda nos constrangimentos causados pela pandemia O projeto de engenharia está dependente da visita ao terreno de técnicos internacionais, cujas viagens têm sido dificultadas pela crise pandémica.

Segundo a minuta do contrato, foi em fevereiro de 2018 que, "dado o seu impacto macroeconómico", o projeto assegurou a"concessão de incentivos previstos para os grandes projetos de investimento". Em causa está a criação "de uma unidade industrial para a produção de cenouras bebés sob a forma de snacks embalados". Em todo o mundo, a atividade é praticada, em grande escala, apenas por duas empresas norte-americanas, a Bolthouse Farms e a Grimmway Farms, ambas da região da Califórnia.


Um dos pontos que levaram a AICEP a carimbar o incentivo prende-se com a identidade dos investidores: a Fresh 52 é detida por uma sociedade "em cujo capital social participam anteriores quadros superiores da Bolthouse Farms, que pretendem trazer para Portugal a sua experiência". A empresa ressalva que o projeto tem um caráter tão "único" que algumas máquinas serão construídas na Califórnia, para que o "know- -how" se mantenha exclusivo.


A produção de cenouras bebés em Almeirim pretende fixar no país "uma nova tipologia de produtos com caráter único". O projeto tem como alvo a exportação para "mercados sofisticados" como o Reino Unido, Alemanha, França, Itália e Suécia. O contra to previa que, em 2022, a empresa atingisse um volume de negócios de 35 milhões de euros, dos quais 34,8 milhões seriam relativos a exportações. Com o atraso provocado pela pandemia, as metas devem ser adiadas para 2023.
A empresa chegou a ponderar instalar a unidade de produção em França, mas após seis anos de procura por uma localização na Europa, acabou por optar por Almeirim, devido às condições climáticas e ao incentivo público.

Partilhar