NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Segundo os valores da plataforma digital SiteMinder, as reservas hoteleiras em Portugal ultrapassam a média dos países vizinhos, tendo em conta os números dos últimos três anos. Como asseguram, “só Espanha e Itália, em segundo e terceiro lugar, se comparam minimamente a Portugal no número de reservas em 2023”.

De acordo com dados do World Hotel Index da SiteMinder, e até o passado 2 de julho, o número de reservas hoteleiras em Portugal este ano era 22,72% mais elevado quando comparado com os números de 2019 e 4,75% mais elevado em relação ao ano passado.

 

A SiteMinder aponta que estes valores encontram-se acima da média dos países vizinhos: “Só Espanha e Itália, em segundo e terceiro lugar, se comparam minimamente a Portugal no número de reservas em 2023, tendo em conta os números dos últimos três anos”, refere a plataforma digital em comunicado de imprensa, que explica que este volume refere-se ao total de reservas nos últimos 365 dias de hotéis afiliados à SiteMinder – cerca de 36.000 hotéis –, em comparação com o volume de reservas de 2019.

 

Os dados de Portugal no mês de junho mostram um aumento de 75,85% nas reservas de visitantes estrangeiros em comparação com 24,15% de turismo local – aliás, “ao longo deste ano, as reservas de hotéis por turistas locais não ultrapassam os 25% em nenhum mês”.

 

Para a plataforma digital, “estes bons resultados são reforçados pela chegada das férias de verão: 49% das reservas feitas em Portugal nas últimas duas semanas são para desfrutar dos meses de junho e julho, enquanto 23% correspondem a agosto e 14% a setembro”.

 

Esta refere ainda que “o crescimento do volume de reservas de hotéis em Portugal ocorre num contexto de aumento nos preços do alojamento no país, que, segundo os dados da SiteMinder, aumentaram em média 17% nos últimos quatro anos”.

 

No último ano, os viajantes passaram de fazer as suas reservas com uma média de 21 dias de antecedência para 36 dias, “o que leva os especialistas a prever que será difícil encontrar ofertas de última hora nos próximos meses, já que o intervalo geral entre a reserva e a chegada ao hotel está cada vez maior”.

Partilhar