NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

A Repsol contratualiza, com a aicep Global Parques, direito de superfície de mais 51 hectares, e a reserva de direito de superfície de mais 23 hectares na ZILS. A cerimónia, que decorre esta manhã, conta com a presença do Secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhantes Dias, do Secretário de Estado Adjunto e da Energia, João Galamba, do Presidente da Câmara Municipal de Sines, Nuno Mascarenhas.

Cerca de 38 hectares são para expansão, que se somam aos já 143 hectares que a multi-energética ocupa. Foram ainda reservados 23 hectares para futuros desenvolvimentos, alinhados com a estratégia de descarbonização e transição energética da Repsol. Com esta expansão, a taxa de ocupação da Zona Industrial e Logística de Sines (ZILS) sobe para 72%, contando, assim, com 274 hectares ocupados.

Recorde-se que, em Outubro, o Governo assinou o contrato de investimento de 657 milhões com a Repsol. Considerou o projecto de potencial interesse nacional e contratou incentivos fiscais ao investimento no valor de até 63 milhões. Tal como a Revista Cargo noticiou, o
 maior investimento industrial dos últimos 10 anos em Portugal contempla a construção de duas novas fábricas, uma de polipropileno e outra de polietileno linear. Cada unidade terá uma capacidade de produção de 300.000 toneladas por ano, com o início de laboração prevista para 2025.

O investimento de 657 milhões de euros, que prevê a criação de 75 empregos directos e cerca de 300 indirectos. A Repsol planeia outros investimentos complementares em energia, incluindo parque de painéis solares, interligações eléctricas, tancagens e pipelines. Este investimento, em conjugação com a localização estratégica da ZILS, a proximidade ao Porto de Sines e a criação de novas instalações logísticas, como a anunciada pela IP de Portugal para a reabilitação do Ramal do Complexo Industrial de Sines, permitirá desenvolver mais sinergias na área industrial da empresa, melhorar a conexão ao mercado europeu e reduzir a pegada de carbono do transporte dos produtos.

Partilhar