NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Nova bateria não utiliza lítio, níquel, grafite e cobalto, sendo segundo o vice-presidente de Estratégia da Northvolt, Patrik Andreasson, o “primeiro produto totalmente isento de matérias-primas críticas”.

Nova bateria não utiliza lítio, níquel, grafite e cobalto, sendo segundo o vice-presidente de Estratégia da Northvolt, Patrik Andreasson, o “primeiro produto totalmente isento de matérias-primas críticas”

 

A empresa sueca Northvolt, a maior fabricante europeia de baterias eléctricas, diz ter criado uma nova bateria “revolucionária”. Segundo a empresa, esta é uma nova bateria de iões de sódio sem lítio, sendo uma alternativa mais sustentável e mais barata.

 

Esta nova tecnologia pode vir a valer, de acordo com as declarações do diretor executivo e cofundador da Northvolt, Peter Carlsson, ao The Financial Times, dezenas de milhares de milhões de dólares. De aqui a dez anos, a lista de encomendas de armazenamento de energia poderá ser "tão grande ou potencialmente maior do que a atual”.

 

Para já, a Northvolt ainda não decidiu onde é que vai produzir a bateria. Mas uma coisa é certa é o “primeiro produto totalmente isento de matérias-primas críticas”. Segundo o vice-presidente de Estratégia da Northvolt, Patrik Andreasson, a utilização da “tecnologia de iões de sódio não é nova”. Contudo, como referiu ao The Guardian, “trata-se de um avanço fundamental”, uma vez que “abre uma opção que não está dependente de certas partes do mundo, incluindo a China".

 

O protótipo desta bateria não foi concebido para ser utilizado em veículos elétricos, mas essa poderá vir a ser uma opção. A nova bateria apresenta uma densidade de energia superior a 160 watts-hora por quilograma e foi desenvolvida para centrais de armazenamento de eletricidade.

 

As baterias de iões de sódio, além de serem uma alternativa mais barata, segura e sustentável, têm um melhor desempenho em temperaturas muito altas e muito baixas. Apresentam, no entanto, uma desvantagem: a quantidade de energia que podem produzir em relação ao seu tamanho tem ficado muito atrás das baterias de lítio.

 

A bateria que não utiliza lítio, níquel, grafite e cobalto foi desenvolvido nos laboratórios da empresa em Västerås, na Suécia, e vai ser apresentada aos clientes em 2024.

 

Em Expresso

Partilhar