NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Fabricante de chips anuncia novo marco tecnológico que vai permitir avanços significativos em termos de desempenho e eficiência energética.

A IBM anunciou ter concluído o desenvolvimento do primeiro chip do mundo com dois nanómetros, com tecnologia de nanosheet. A nova tecnologia de chips vai ajudar a promover o estado da arte na indústria de semicondutores, dando resposta a uma crescente procura que vem de vários domínios, desde a computação aos dispositivos de comunicações e desde os sistemas de transporte às infraestruturas críticas.

 

Os chips de dois nanómetros devem atingir um desempenho 45% superior e um consumo até 75% inferior aos chips mais avançados da atualidade, os de sete nanómetros. O comunicado da IBM salienta que, entre os benefícios deste avanço, estão a possibilidade de quadruplicar a vida útil da bateria do telemóvel, reduzir a pegada de carbono dos centros de dados (que já representam 1% da utilização global de energia), aumentar significativamente o desempenho dos computadores portáteis, com um processamento mais rápido das aplicações, e contribuir para uma deteção mais rápida de objetos e diminuir tempos de reação nos veículos autónomos.

 

O design de dois nanómentros usa a tecnologia de nanosheet da Intel e permite integrar 50 mil milhões de transístores num chip do tamanho de uma unha. Com mais transístores por chip, os designers de processadores conseguem mais opções para inovar e melhorar as capacidades de trabalho em ambientes exigentes, como a Inteligência Artificial, a cloud ou a encriptação de hardware. Esta e outras melhorias estão a ser implementadas já no portefólio de hardware da IBM, como o POWER10 ou o IBM z15.

 

Os principais avanços destes chips aconteceram no centro de investigação no Albany Nanotech Complex da Intel, em Nova Iorque, onde os cientistas da empresa colaboram com parceiros dos setores público e privado. Esta abordagem permite manter um ecossistema que lidera a investigação de semicondutores e potenciar várias linhas de inovação, ajudando a responder às exigências de produção e acelerando o crescimento global da indústria.

Partilhar