NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O vereador Luís Nobre conta como foi possível um “ecossistema favorável” às empresas. “Há oito anos crescemos e mudámos de paradigma.”

Localização geográfica com a proximidade de um player na Galiza que é a PSA, mas também em termos de infraestruturas, fatores de competitividade como as acessibilidades, ligações aeroportuárias favoráveis. "A juntar a isso, decidimos ser claros e assertivos numa política de incentivo à fixação e criar condições para que as empresas se instalassem e se sentissem de tal maneira envolvidas e bem recebidas para desta forma para criar um fator de indução para atrair novas empresas e parceiros estratégicas das empresas já instaladas." Eis a estratégia de Viana do Castelo explicada por Luís Nobre, vereador do desenvolvimento económico.

Há uma relação de proximidade e de concertação com as entidades nacionais, como o AICEP e o IAPMEI. "Há um conjunto de entidades que são fundamentais na receção e identificação do território para a instalação destes investimentos associado à qualidade das infraestruturas dos nossos parques industriais, que é também a nossa filosofia de acompanhamento, nomeadamente com a disponibilização de um ponto focal que possa ser a referência como interlocutor não só para as entidades mas com os serviços do município, criando mecanismos que permitam uma maturidade superior no que se refere ao licenciamento e ao acompanhamento."

O efeito holístico
O setor automóvel é um setor muito exigente em termos de instalações e licenciamento, por isso é importante "um efeito holístico e que se consiga rapidamente, porque o tempo é curto e as empresas querem executar com rapidez os seus projetos". "Tudo isto tem sido o ecossistema que conseguimos criar estes resultados", afirma Luís Nobre.

"O incentivo fiscal, como a isenção de IMT na transmissão, as taxas urbanísticas, a infraestruturação dos lotes ou parcelas, é importante para a atração dos investidores mas o ponto focal, a proximidade, a agilidade, a capacidade de resposta, ajudar a acelerar o processo faz a diferença. Há ainda um outro fator que é a qualidade da mão-de-obra, e recursos humanos com grande capacidade de adaptação", disse Luís Nobre.

O vereador do desenvolvimento económico da Câmara de Viana do Castelo referiu que há mais investimentos em carteira. "Durante o período pandémico houve uma interrupção mas hoje voltamos a sentir que há manifestações de interesse que depois se concretizam e a um ritmo que era elevado no passado e que voltou a ser atualmente", garantiu. Referiu ainda que o emprego criado foi muito superior ao que as empresas do cluster tinham em termos contratuais.

Partilhar