NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Presidente da AICEP prevê impacto positivo na economia. Costa diz que parceria ajuda a resolver problemas do país.

Espera-se que o trabalho de melhoria de sensores dos carros autónomos, parceria entre a Bosch e a Universidade do Porto (UP), transforme conhecimento em patentes que, por sua vez, "gerem muitas exportações, seja de serviços como de bens". Pelo menos é essa a expectativa de Luís Castro Henriques, presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP). O reitor da UP, António de Sousa Pereira, salientou que "ter a confiança da Bosch é extremamente importante", já que foi a empresa que selecionou a universidade.


A parceria entre a empresa e a academia, que representa um investimento de 28 milhões até 2023, foi formalizada ontem e a cerimónia contou com a presença do primeiro-ministro. Para António Costa, o projeto ajudará na resposta ao aumento dos rendimentos dos portugueses, a fixar novas gerações no país, e a aumentar a produção das empresas, contribuindo para que o país cresça mais depressa.


"Por isso, em nome de Portugal, muito obrigado", concluiu. Por sua vez, o responsável da Bosch em Portugal, Carlos Ribas, explicou que o objetivo do projeto THEIA - Automated Perception Driving é "investigar e desenvolver soluções para melhorar as capacidades sensoriais dos futuros veículos autónomos através da implementação de algoritmos de perceção que vão interpretar dados".


A fase de testagem e prototipagem será feita nos laboratórios da UP, passando depois para ensaios em ambiente real, explicou António de Sousa Pereira.


VEÍCULOS SEGUROS


"Já temos veículos de condução autónoma, mas são veículos que têm dado problemas e que estão associados a alguns eventos não desejados. Aquilo que se pretende é que haja uma evolução que torne estes meios de transporte absolutamente seguros em todo o tipo de contextos em que tenham de circular, por forma a que conquistem a confiança dos consumidores e se transformem no veículo do futuro", clarificou o reitor da UP.


O objetivo é que o nível de perceção do carro sobre a envolvente seja tal que possa adequar a condução às condições meteorológicas, por exemplo.

| DETALHES |


Novas contratações


A investigação implica a contratação de 55 novos funcionários da Bosch e mais de 70 investigadores da Universidade do Porto.
Algoritmos de perceção


A captação exata da envolvente pelos carros autónomos será feita através de algoritmos de perceção, que analisarão os dados recolhidos pelos sensores.


Fundos europeus


O projeto é cofinanciado pelo Fundo Europeu de , Desenvolvimento Regional, através do programa COMPETE 2020.

Partilhar