NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Inquérito da Savills mostra que operações transfronteiriças, nearshoring e industrialização estão a atrair investidores para o mercado logístico nacional, que já sente “a pressão da escassez de área".

O mercado português figura na lista dos cinco países preferidos pelas empresas que querem aumentar a capacidade de armazenamento na Europa, de acordo com o relatório European Real Estate Logistics Census realizado pela consultora imobiliária internacional Savills.

 

França (44%), Alemanha (43%), Espanha (39%), Itália (26%) e Portugal (24%) são os países mais atrativos para captar investimento em logística no espaço do Velho Continente, numa fase em que 95% dos operadores logísticos antecipam que vão precisar de mais ou do mesmo espaço de armazenamento nos próximos três anos.

 

“No panorama internacional, Portugal afirma-se cada vez mais como um destino para operações logísticas transfronteiriças para servir os mercados ibérico e europeu. Por outro lado, o fenómeno do nearshoring e o potencial do mercado português para atrair investimento para a industrialização contribuem positivamente para que este segmento cresça e seja cada vez mais apetecível para os operadores e investidores”, justifica a Savills.

 

A consultora contabiliza que os projetos em pipeline totalizam um volume superior a 400 mil metros quadrados, o que interpreta como “a prova da entrada numa nova fase determinante” para o mercado imobiliário logístico nacional, marcada pela colocação de produto prime, e que viabiliza o aumento da atratividade do país a nível internacional.

 

Apesar do anúncio previsto de novos projetos por parte dos promotores logísticos, Pedro Figueiras, um dos responsáveis pela área industrial e logística da Savills Portugal, sublinha, citado numa nota de imprensa, que “a pressão da escassez de área de logística dever-se-á manter, dado que só é expectável que estes projetos se concluam em meados de 2023 e 2024, o que permite antever a continuação da tendência de pré-arrendamentos observada em 2021”.

 

E o que valorizam os investidores em logística? A localização dos imóveis (89%), a segurança dos acordos de arrendamento (83%) e futura obsolescência do edifício (75%) e a sustentabilidade dos imóveis (74%) estão no topo das preocupações, de acordo com o inquérito divulgado esta quarta-feira pela consultora imobiliária que tem 600 escritórios espalhados pelo mundo e que entrou em Portugal em janeiro de 2018 através da aquisição da Aguirre Newman.

Partilhar