NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

“Financiada originalmente com capitais próprios, resultantes do volume de vendas, a plataforma Coreflux teve um investimento de cerca de 2 milhões de euros. Destinado a potenciar a expansão da empresa e a financiar o desenvolvimento desta nova versão, este investimento decorreu da injeção de capital externo, com a entrada de um grupo de investidores”, refere a empresa que oferece soluções orientadas para a digitalização da indústria. 

A portuguesa Coreflux anunciou um investimento de dois milhões de euros para o lançamento da versão 1.2 da plataforma de Internet das Coisas (IoT), desenvolvida para “dar resposta às necessidades em constante evolução da indústria”.
 

“Financiada originalmente com capitais próprios, resultantes do volume de vendas, a plataforma Coreflux teve um investimento de cerca de 2 milhões de euros. Destinado a potenciar a expansão da empresa e a financiar o desenvolvimento desta nova versão, este investimento decorreu da injeção de capital externo, com a entrada de um grupo de investidores”, refere a empresa que oferece soluções orientadas para a digitalização da indústria.

 

A nova versão da plataforma foi desenvolvida para “dar resposta às necessidades em constante evolução da indústria e propõe-se a transformar a forma como as indústrias se digitalizam”, explica Paulo Mota, cofundador da empresa de alta tecnologia e engenharia.

 

Em termos técnicos, a “plataforma Coreflux é classificada pela G2 como #1 na categoria de ‘Plataforma IoT Edge’ e #6 de ‘Plataformas IoT’ em geral, disponibiliza soluções para recolha, transformação e tratamento de dados, interligando múltiplos hardware e software nas mais variadas indústrias”, é detalhado na mesma nota.

 

De acordo com Paulo Mota, o objetivo da Coreflux passa por “tornar-se uma referência e liderar o mercado internacional de IoT, contribuir para o avanço das normas estabelecidas no mercado da ’Internet das Coisas Industrial’ (IIoT) e fortalecer a reputação de Portugal como um hub de inovação industrial e tecnológica”.

 

Em O Jornal Económico

Partilhar