NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Para Francisco André, secretário de Estado dos Negócios Estrangeiro, as relações com os Emirados Árabes Unidos saem reforçadas com esta exposição.

O secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação destacou esta quinta-feira que a participação portuguesa na Expo Dubai espelha um “país moderno e aberto ao mundo” e que as relações com os Emirados saem reforçadas com esta exposição.

 

“Avalio [a participação portuguesa] de uma forma bastante positiva. É um pavilhão que reflete a imagem do país, moderno e aberto ao mundo. É a avaliação que faço e que tenho ouvido dos responsáveis da exposição e de outros países“, afirmou Francisco André, em declarações à Lusa à margem do ‘Portugal Business Briefing’, no Dubai.

 

Para o governante, as relações com os Emirados, que classificou como um dos mercados mais atrativos, saem reforçadas com esta exposição, destacando ainda que Portugal tem feito “um grande trabalho” para captar investimento estrangeiro.

Já no que se refere à sustentabilidade, tema chave desta edição, o secretário de Estado notou que Portugal trata esta área com “muita atenção“, sublinhando que o próprio pavilhão espelha esta importância.

 

AICEP destaca talento e inovação como motivos para apostar em Portugal

 

Tal como o Governo, também a AICEP destacou esta quinta-feira o talento e inovação de Portugal, como alguns dos motivos para apostar e investir no país, sublinhando ainda a sua proximidade aos restantes mercados europeus.

 

Segundo dados esta quinta-feira apresentados pelo presidente da AICEP, Luís Castro Henriques, no ‘Portugal Business Briefing’, que decorreu na Al Wasl Plaza, no recinto da Expo Dubai, Portugal deve ser uma escolha para os investidores tendo em conta a qualidade do ensino universitário, a competência dos trabalhadores e a fluência em diversas línguas.

 

Já ao nível do investimento, o também comissário-geral de Portugal para a Expo Dubai, Luís Castro Henriques, destaca a participação da APG Asset management, Swiss Life AM e do serviço nacional de pensões coreano na Brisa ou a participação maioritária da Allianz Capital Partners na Galp Gás Natural.

 

A estes fatores somam-se a “localização estratégica” de Portugal, permitindo o acesso a outros mercados europeus, com um potencial de até 500 milhões de pessoas, segundo os dados enviados à Lusa pela AICEP.

 

Conforme apontaram, Lisboa pode ainda ser uma ponte de ligação aos mercados que falam português, abrangendo 260 milhões de pessoas.

 

A Expo Dubai, a primeira exposição mundial a realizar-se na região do Médio Oriente, África e Sul da Ásia, conta com a participação de 192 países.

Partilhar