NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

País muito urbanizado, com mais de 90 por cento da população a viver nas cidades, o Japão tem vindo a adotar soluções inteligentes para melhorar a qualidade de vida dos habitantes e tornar os centros urbanos mais eficientes e sustentáveis.

As cidades inteligentes têm ganho cada vez mais destaque na sociedade atual, em que a inovação tecnológica e a sustentabilidade são determinantes. No Japão, as smart cities têm sido um instrumento para a resolução de problemas importantes e que necessitam de respostas urgentes. Contribuem, desta forma, para o aumento da coesão social.

 

A população do Japão tem vindo a diminuir de forma acentuada, e dos atuais 123 milhões de habitantes prevê-se que decresça para 106 milhões em 2045. Para além da redução significativa da população ativa, o rácio de cidadãos seniores deverá atingir os 36,8 por cento em 2045. Sem grande motivação para resolver este problema através de políticas de imigração, esta alteração demográfica será inevitável.

 

Como consequência, o sistema de segurança social irá enfrentar constrangimentos adicionais, tais como o aumento dos gastos em pensões e do prazo ao longo do qual estas são pagas, o aumento de despesas com saúde ou a falta de médicos e enfermeiros. Ao mesmo tempo, haverá dificuldade em manter serviços públicos como os transportes, hospitais, escolas, quartéis de bombeiros ou esquadras de polícia e infraestruturas públicas como a rede elétrica, estradas, pontes e comunicações.

 

Leia o artigo na íntegra na Revista Portugalglobal.

 

Para ficar a par de todas as novidades, subscreva a Revista Portugalglobal.

Partilhar