NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Mostrar a excelência da produção nacional tem sido a alma do negócio para o aumento das exportações no setor agroalimentar, que já representam 6,549 mil milhões de euros.

Feiras internacionais, desenvolvimento de contactos e ações promocionais variadas têm permitido ao País consolidar posições e desbravar novos mercados externos

Luís de Castro Henriques, atual presidente do Conselho de Administração da AICEP - Agência para o Investimento e Comércio Externo, salientou a importância económica do setor agroalimentar e falou sobre a importância da pro - moção do mesmo além-fron- teiras para a conquista dos mercados internacionais.

Correio da Manhã - Comente o impacto económico e social das exportações a nível do setor agroalimentar.
- O setor agroalimentar é um dos pilares mais importantes da nossa economia e Portugal é reconhecido internacionalmente como um País produtor fiável e de excelência. Esta evolução está refletida no crescimento significativo das exportações. A estratégia de internacionalização do setor agroalimentar baseia-se em ações de promoção internacional, organizadas com vista a apoiar as empresas nos seus processos de internacionalização, através de um programa de ações de diferentes tipologias, como feiras internacionais, missões empresariais, missões inversas (vinda de compradores a Portugal) e ações promocionais em diversos formatos, tendo sido identificados mercados prioritários, em que Portugal deveria consolidar posições, e mercados a apostar seletivamente.

- Em que pilares assenta a promoção externa?
Para a concretização eficaz de toda esta estratégia de promoção da marca Portugal a nível internacional, o trabalho efe- tuado em articulação permanente da AICEP com as associações setoriais assume um cariz essencial. A promoção externa desenvolvida pelas associações do setor agroalimentar assenta, em grande parte, nos instrumentos de apoio existentes, geridos pela AICEP, quer sejam os projetos conjuntos de internacionalização ou ações coletivas de internacionalização que permitem apoiar as empresas na abordagem aos mercados de uma forma sustentada, contribuindo para o aumento das exportações do setor.

-De que volume de negócios estamos a falar?
-Um volume de negócios de 23 018 milhões de euros em 2017. A fileira agroalimentar é constituída por um conjun to de diferentes atividades relacionadas com a produção e transformação de maté- rias-primas em bens alimentares ou bebidas, bem como a sua disponibilização ao consumidor final, mais especificamente a agricultura, as pescas, as indústrias transformadoras e as extrativas, compostas por cerca de 135 650 empresas e 294 408 colaboradores. Em 2018, as exportações ascenderam a 6,549 mil milhões de euros, representando 11,31% das exportações totais portuguesas. Nos últimos anos, tem-se registado um crescimento significativo, demonstrando o aumento do seu reconhecimento internacional. Relativamente ao número de mercados de exportação, o agroalimentar exporta para 185 mercados externos, um número que tem crescido nos últimos anos. Os principais mercados de exportação são: Espanha, França, Brasil, Angola, Itália e Reino Unido, que representam cerca de 66% das exportações totais do setor.

Partilhar