NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O intenso aumento de custos verificado na indústria tem levado a uma diminuição da confiança dos agentes, com um abrandamento do crescimento das perspetivas de produção mais pronunciado do que noutros sectores.

O INE alerta para a subida de preços e custos na economia portuguesa, apontando para os aumentos recentes nos índices de preços na produção industrial e no consumidor numa altura em que a recuperação, embora em curso, vai diminuindo de intensidade.

 

Na síntese de conjuntura económica divulgada esta terça-feira, o gabinete de estatística nacional destaca a variação homóloga do índice de preços na produção da indústria transformadora em novembro, que foi de 14,4%, uma aceleração clara em relação aos 11,3% registados no mês anterior.

 

Simultaneamente, o índice de preços no consumidor de novembro avançou 0,8 pontos percentuais (p.p.) em relação à leitura do mês anterior, chegando aos 2,6%, um máximo não visto desde 2012.

 

Ambos estes fenómenos deixam transparecer o efeito da subida dos preços da energia e dos bens intermédios, detalha a nota, apesar do indicador de inflação subjacente, ou seja, sem contabilizar bens alimentares e energéticos, também tenha avançado 1,7% em termos homólogos em novembro.

 

Na vertente da confiança dos agentes, esta continua a aumentar nos vários sectores da economia, embora a ritmos menos intensos do que nos meses imediatamente anteriores. Na indústria e na construção este cenário é particularmente visível, com o crescimento das perspetivas de produção no curto prazo a abrandar significativamente.

 

Por outro lado, o indicador de clima económico voltou a diminuir em novembro, mantendo o comportamento irregular que tem vindo a exibir desde julho.

Partilhar