NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O parque de campismo da Madalena, em Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto, vai transformar-se num polo tecnológico e criar 1500 postos de trabalho, num investimento de 700 milhões de euros, anunciou o presidente da câmara.

No final da reunião do executivo municipal, Eduardo Vítor Rodrigues explicou que o polo está direccionado para a tecnologia e o ensino, juntando o mundo académico ao universitário, e terá empresas como a Google e a Samsung.

 

Contudo, a sua construção não implica a extinção do parque de campismo, mas sim a redução da sua dimensão, explicou.

«O parque de campismo não deixa de existir vai é ficar mais reduzido e, na verdade, vai ter de ser repensado o seu modelo de ocupação porque havia pessoas a lá viver o ano todo e isso não pode acontecer», vincou.

 

Actualmente, o parque de campismo ocupa 20% da área total do terreno, que é de 20,8 hectares, por isso, quando o polo começar a ser construído o objectivo será criar uma zona de lazer onde se inclua aquele equipamento, sustentou.

 

Eduardo Vítor Rodrigues revelou que o polo tecnológico vai envolver, além de empresas como a Google ou Samsung, as universidades do Porto e de Aveiro, e ter alojamento para estudantes.

 

O terreno onde vai nascer o edifício foi propriedade da câmara, mas deixou de o ser em 2011 após ser vendido a um fundo imobiliário da Caixa Geral de Depósitos.

 

Até 2013, o terreno esteve concessionado à Orbitur, responsável pelo parque de campismo, tendo-lhe sido passado anualmente e até agora uma licença precária, dado a concessão ter terminado.

 

Agora, um grupo brasileiro, com ligações aos Estados Unidos da América, comprou o terreno ao fundo e decidiu avançar com o projecto num investimento de 700 milhões de euros, referiu.

 

Dizendo não ter papel de decisão, o socialista explicou que a câmara apenas se comprometeu com o fundo da Caixa Geral de Depósitos a viabilizar o projecto, matéria que irá a discussão na próxima reunião de câmara.

 

Eduardo Vítor Rodrigues considerou que este polo tecnológico é o «pontapé de saída» para Vila Nova de Gaia se tornar numa cidade tecnológica com indústrias e serviços de vanguarda.

Partilhar