NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Economista do FMI argumenta que um milhão de dólares de despesa em investimento público nas economias avançadas pode criar em média três empregos em escolas e hospitais e mais de seis empregos no sector da energia.

Se a despesa em investimento público atingisse 1% do PIB mundial poderia gerar mais de sete milhões de empregos a nível mundial. A estimativa consta de um artigo publicado recentemente pelo economista do Fundo Monetário Internacional (FMI) Mariano Moszoro, no blog da instituição, e que argumenta que nas economias avançadas um milhão de dólares de despesa em investimento público pode criar em média três empregos em escolas e hospitais e mais de seis empregos no sector da energia.

 

Num artigo onde analisa o efeito multiplicador na criação de postos de trabalho do investimento público, Mariano Moszoro realça que “cada unidade de investimento em infraestruturas públicas cria mais empregos diretos no setor da eletricidade nos países de salários elevados e mais empregos no sector das águas e saneamento nos países de baixos rendimentos”.

 

O economista baseia-se num estudo do departamento de Assuntos Orçamentais do FMI que analisou um conjunto de dados referentes aos últimos 19 anos de mais de 5.600 empresas de construção de 27 economias avançadas e 14 economias de mercados emergentes e que verifica que a quantidade de empregos criados depende da mobilidade e intensidade da da mão-de-obra.

 

“Por exemplo, numa economia emergente com alta mobilidade de mão de obra e alta intensidade de mão de obra, são criados cerca de 35 empregos no setor das águas e saneamento por um milhão de investimento adicional. Num país com baixa mobilidade e baixa intensidade de mão-de-obra esse número cai para cerca de oito”, exemplifica.

 

Ainda assim, assumindo níveis intermediários de mobilidade e intensidade da mãos de obra, o estudo estima que milhão de dólares de despesa em investimento público pode criar em média três empregos em escolas e hospitais e mais de seis empregos no setor da energia, enquanto em países de baixo rendimento as estimativas apontam para a criação de 16 empregos em estradas e 30 empregos em água e saneamento.

 

Mariano Moszoro argumenta ainda que o impacto poderia ser maior no investimento verde, com uma média de criação de emprego de 5 a 10 postos em eletricidade verde, 2 a 12 empregos em novos edifícios eficientes como escolas e hospitais e 5 a 14 em água verde e saneamento através de bombas agrícolas eficientes e reciclagem.

 

Já na área da investigação e desenvolvimento o impacto é menor, com uma estimativa média de criação de quatro postos de trabalho por cada um milhão investido.

 

“Estes resultados indicam que a despesa pública com infraestruturas pode dar uma contribuição significativa para a criação de postos de trabalho”, afirma.

Partilhar