NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Optar entre loja virtual ou marketplace é uma decisão estratégica, que deve ser tomada tendo em consideração o perfil do seu negócio, os recursos disponíveis e as metas de crescimento traçadas.

O facto de poder controlar todo o processo é uma das maiores vantagens das lojas virtuais próprias. Permite que possa definir preços e promoções e gerir toda a logística. Ou seja: a sua loja, as suas regras. E isto aplica-se também a questões relacionadas com o conteúdo, design do site e promoção da marca. 

 

Mas as lojas virtuais são criadas e geridas pelas empresas, o que significa, desde logo, investimento e disponibilidade de recursos. 

 

Para ter uma loja virtual, a empresa tem de investir na criação da plataforma onde vai expor e através da qual venderá os produtos ou serviços. Uma loja online deve ter em conta aspetos como os mercados de destino, segurança, facilidade de utilização, meios de pagamento e apoio ao cliente antes, durante e depois da compra.

 

Um marketplace é como um grande centro comercial, com diversas marcas e milhares de produtos. Embora existam vários tipos de marketplaces, os mais conhecidos, como a Amazon, o Alibaba ou o eBay, têm um alcance global.

 

Ao aderir a um marketplace já terá grande parte da estrutura montada. Ou seja, a plataforma já existe e a divulgação da sua marca é feita pelo próprio marketplace. Assim, não tem de pensar ou investir em estratégias para gerar tráfego, porque este é, por natureza, elevado. A sua marca terá mais visibilidade também nos motores de busca, o que é bastante vantajoso em termos de prestígio e no aumento de interesse.

 

Se a sua marca é ainda pouco conhecida, a presença num marketplace dar-lhe-á a credibilidade necessária para se afirmar perante os consumidores.

 

O facto de ser uma estrutura global e de grande dimensão pode ser uma desvantagem para a sua empresa, já que terá menos controlo sobre a forma como os seus produtos são apresentados. A dependência em relação à plataforma é mais elevada e a autonomia para tomar decisões é, por isso, mais reduzida.

 

Apesar de o investimento inicial ser menor do que aquele que terá na criação de uma loja virtual, aderir a um marketplace também tem custos. Pode ter de pagar uma mensalidade para ter acesso às funcionalidades mais importantes e as comissões por cada produto vendido podem chegar aos 35%. Isto significa que poderá ter de aumentar os preços e lidar com margens de lucro mais reduzidas.  

 

Saiba mais neste artigo do Portugal Exporta.

 

A AICEP disponibiliza um serviço de consultoria para ajudar as empresas portuguesas a criar um plano personalizado para exportar através do e-commerce. Peça aqui o seu plano.

Partilhar