NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Uma área de acolhimento empresarial, num investimento de quase 1,5 milhões de euros, está a ser criada na vila alentejana de Amareleja, no concelho de Moura (Beja), para atrair e fixar empresas, foi hoje divulgado.

Trata-se de “um investimento crucial para a vila de Amareleja e para todo o concelho”, porque vai permitir “criar condições para atrair e fixar empresas e desenvolver a economia local”, disse hoje à agência Lusa Álvaro Azedo, presidente da Câmara de Moura, a promotora do projeto.

 

Segundo o autarca, a área de acolhimento empresarial vai permitir à vila ter uma zona “capaz de fixar empresas locais e atrair outras para que invistam e façam de Amareleja uma terra de oportunidades”.

 

A Área de Acolhimento Empresarial de Amareleja vai ter 22 lotes de terreno para instalação de vários tipos de atividades económicas, precisou.

 

“É profunda intenção do município dinamizar a área de acolhimento e atrair e acolher investimentos para a vila de Amareleja, para que também possa ter dinâmica a nível empresarial”, frisou o autarca.

 

Álvaro Azedo disse que o município já foi contactado por empresas locais interessadas em instalarem-se na área de acolhimento empresarial, “sobretudo oficinas, que necessitam de alargar as áreas de trabalho”.

 

O município também já teve “algumas prospeções, contactos muito informais” de outros empresários, mas que “ainda não representam vontades expressas de se fixarem” nesta infraestrutura.

 

No entanto, frisou, a autarquia está a fazer, junto de empresários, “o trabalho de divulgação da área de acolhimento empresarial e da mais-valia que pode representar fixar negócio em Amareleja”.

 

“É um trabalho que vamos fazendo com os empresários e com quem vamos conversando, no sentido de haver investimentos que possam criar postos de trabalho, que é o mais importante para o município”, explicou.

 

Segundo a câmara municipal, a obra da Área de Acolhimento Empresarial de Amareleja começou em novembro e tem um prazo de execução de 15 meses, devendo terminar em fevereiro de 2023.

 

A obra inclui a criação de arruamentos e estacionamentos de acesso aos lotes e a instalação das infraestruturas de água e saneamento básico, eletricidade e telecomunicações.

 

Orçada em 1.465.876 euros, a obra é financiada em 85% por fundos comunitários, através do Programa Operacional Regional Alentejo 2020, sendo a comparticipação nacional de 15% assegurada pelo município.

Partilhar