NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

A empresa portuguesa Unbabel, que recorre à inteligência artificial para acelerar as traduções, anunciou ter conseguido 21 milhões de dólares numa nova ronda de financiamento.

A empresa portuguesa Unbabel levantou 21 milhões de dólares (19,5 milhões de euros à conversão atual). Já no estatuto de scaleup, uma empresa já com alguma dimensão, a tecnológica liderada por Vasco Pedro quer acelerar as traduções recorrendo à inteligência artificial (IA).

 

A ronda, que foi anunciada esta quinta-feira, contou com a participação da Iberis Capital, GED Ventures Portugal, Notion, ScaleVentures Partners, Caixa Capital e da Point 72.

 

Em comunicado, Vasco Pedro, cofundador e CEO da tecnológica, explica que este financiamento vai ser usado para “impulsionar a estratégia de crescimento global, bem como para fortalecer a sua posição no caminho da rentabilidade”. Possibilitará ainda dar continuidade à estratégia de aquisições da companhia.

 

Este ano, a Unbabel já foi por duas vezes às compras: adquiriu a alemã EVS Translations em janeiro e a israelita Bablic em junho. “Tornar a Unbabel rentável potenciará a escalabilidade deste caminho e é nisso que estamos focados nesta reta final de ano, agora com o sinal de confiança deste grupo de investidores”, continua o líder da Unbabel.

 

Bibi Sattar Marques e Francisco Lino Marques, parceiros da GED Ventures Portugal, explicam o que motivou o novo investimento na scaleup portuguesa. “Reforça o nosso compromisso de investir em tecnologia desenvolvida em Portugal, com capacidade de projeção internacional e tendo como clientes algumas das maiores empresas mundiais”.

 

Recentemente, a Unbabel mostrou na Web Summit uma solução chamada Halo, em que foi criada uma interface neuronal não invasiva, que devido à IA consegue fazer uma espécie de comunicação silenciosa. Na Web Summit, Vasco Pedro demonstrou a solução respondendo a mensagens pensando nas palavras. A solução está a ser pensada para pessoas com esclerose lateral amiotrófica (ELA) e que tenham dificuldades de comunicação – com a interface aliada a um grande modelo de linguagem, poderá ser possível “escrever” mais palavras do que através dos atuais modelos de introdução de texto.

 

Além disso, a tecnológica é também a empresa que lidera o consórcio do Center for Responsible AI, que junta várias entidades para acelerar o desenvolvimento de IA de uma forma responsável.

 

Atualmente, a Unbabel tem escritórios em 11 localizações a nível global, em Portugal, Estados Unidos, Reino Unido, Roménia, Filipinas, Alemanha, Bulgária e Israel.

 

em Observador

Partilhar