NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

As vendas de imóveis estão a crescer em todo o mundo e não se registou nenhuma desaceleração na compra de imóveis, com os investidores em casas de luxo a liderar o mercado, revela o Global Luxury Landscape de 2021, desenvolvido pela Berkshire Hathaway HomeServices e que apresenta as mais recentes tendências dos mercados imobiliários e de luxo em todo o mundo.

O relatório revela que dada a elevada procura, verifica-se um nível de imóveis em stock muito baixo, o que contribui para um aumento de preços em quase todo o mundo.

 

Constata-se também que muitas pessoas decidiram mudar de casa nos últimos meses, sobretudo para novas áreas onde estão a redescobrir a proximidade da natureza e a privilegiar os espaços verdes. Verifica-se também que muitos proprietários optaram por passar mais tempo nas suas residências secundárias graças à flexibilidade proporcionada pelo teletrabalho.

 

Em Portugal, o interesse por moradias fora das cidades também tem crescido. "As pessoas começaram a compreender a importância de ter um espaço seguro ao ar livre, onde possam correr, passear e desfrutar o tempo em família com segurança e distância", refere César Santos, CEO da Berkshire Hathaway HomeServices | Atlantic Portugal.

 

Verifica-se também que há compradores a procurar zonas como o Algarve e a Comporta não só para férias, mas também para habitação permanente, onde podem instalar o seu home office. Michael Vincent, CEO da Berkshire Hathaway HomeServices | Portugal Property, indica que "o mercado do Algarve, conhecido pelo seu sol quase garantido durante todo o ano, praias paradisíacas e campos de golfe, tem cada vez maior procura por compradores que reavaliaram o seu estilo de vida". Muitas pessoas ficaram presas em casa durante a pandemia e perceberam que preferiam ficar presas ao sol, vivendo uma vida mais ao ar livre, trabalhando remotamente e com a praia à porta". O Algarve também está a ser "invadido" por compradores internacionais, incluindo dos Estados Unidos, que tentam aproveitar o programa Golden Visa antes das mudanças que se avizinham no final deste ano.

 

O Global Luxury Landscape, adianta ainda que paralelamente, também se está a registar um regresso às áreas metropolitanas, à medida que os compradores de casas de luxo voltam às cidades atraídos pelo ambiente cultural que se perdeu durante a pandemia.

 

Para a elaboração deste estudo foram também entrevistados agentes da rede global Berkshire Hathaway HomeServices que identificaram novas regiões menos conhecidas que poderão vir a oferecer fortes retornos sobre o investimento, incluindo Sun Valley e Idaho, nos EUA;  Barcelona, em Espanha e Potsdam, na Alemanha.

 

Embora a sustentabilidade já esteja na ordem do dia há vários anos, neste estudo verificou-se que a pandemia contribuiu para que as pessoas se concentrassem ainda mais no impacto que têm no ambiente. Como tal, as pessoas com maiores possibilidades económicas estão hoje mais sensíveis ao consumo responsável, tanto em termos de viagens, como de compras.

 

Uma outra tendência verificada junto dos millennials é a revenda de artigos de luxo, uma vez que esta geração se mostra especialmente interessada ​​em diminuir a sua pegada ecológica. Os millennials estão também a levar as marcas de luxo a desenvolverem produtos mais humanos e com uma origem controlada.

 

Outras tendências apontadas pelo relatório são o surgimento e afirmação dos NFTs (Non-Fungible tokens), da arte digital e do desejo de retribuir à sociedade na forma de fundações familiares. Quando se trata de "brinquedos" de luxo, não há como negar que os carros eléctricos são o futuro (próximo) e iates e jatos particulares têm tido uma popularidade crescente.

Partilhar