NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Fator singular mais importante para potenciar o crescimento e desenvolvimento a longo prazo da economia finlandesa: A Investigação, Desenvolvimento e Inovação.

A Primeira-Ministra Sanna Marin afirmou que agora é o tempo de melhorar as condições para o crescimento económico a longo prazo, constatando que para apoiar a delineação desta estratégia foi criado em junho 2021 um grupo de trabalho parlamentar para encontrar as melhores soluções para reforçar a Investigação, Desenvolvimento e Inovação (I&D+i) a longo prazo, cujo seu trabalho terminou no passado mês de dezembro.

 

Sanna Marin referia-se a um acordo histórico entre todos os partidos do Parlamento acerca daquele que ditam ser o fator singular mais importante para potenciar o crescimento e desenvolvimento a longo prazo da economia Finlandesa. A Investigação, Desenvolvimento e Inovação.

 

Este grupo de trabalho conseguiu obter um acordo histórico para a definição de um grande objetivo comum, o de aumentar a despesa em I&D para 4% do PIB em 2030, o que levaria a um aumento até cerca de 1,33% da componente da despesa pública (assumindo que o setor público corresponde a 1/3 e o setor privado aos restantes 2/3 do investimento total em I&D), sendo que o valor ronda atualmente os 0,95% do PIB na vertente pública.

 

Para alcançar este objetivo será primeiramente elaborada uma legislação sobre financiamento da I&D+I, da qual ainda pouco se sabe, por forma a transmitir uma série de incentivos à economia.

 

No entanto, a legislação não será a única medida, uma vez um segundo passo será a elaboração de um plano estatutário com princípios básicos de alocação de fundos para além do período limite de gastos. O plano deverá especificar diretrizes políticas e quais as atividades de I&D+i abrangidas, estabelecendo princípios para a alocação de fundos adicionais direcionados à I&D+i.

 

Haverá ainda um terceiro passo que proporcionará a introdução de um incentivo fiscal mais extensivo a outras atividades de I&D+i, complementando subsídios diretos, pois de acordo com comparações internacionais isto permitirá, sobretudo, escalar este tipo de atividades em PME’s.

 

Assim, podemos afirmar que a economia finlandesa está a delinear uma estratégia concreta de crescimento e desenvolvimento a longo prazo, assente numa política de financiamento à I&D+i, o que poderá tornar o país bastante apelativo para a definição de parcerias internacionais e, por isso, um mercado bastante interessante para as empresas portuguesas.

Partilhar