NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

A Expo Ozaka 2025 irá juntar 150 países e 25 organizações, números abaixo dos registados na atual exposição mundial no Dubai, “num formato compacto”, projetando a sociedade futura, com aposta na saúde e tecnologia.

A Expo Ozaka 2025 já está a ser desenhada e será num formato mais compacto. “A nossa expectativa é que o número de países participantes seja um pouco inferior aos 192 que estão na Expo Dubai. O recinto em Ozaka será menor e os pavilhões terão que ser também mais pequenos”, afirmou o responsável pelas relações internacionais da Associação Japonesa para a Exposição Mundial de 2025, Junichi Kikuchi, em declarações à Lusa.

 

Segundo dados disponibilizados por esta associação, até 7 de janeiro do corrente ano, 72 países e seis organizações internacionais já confirmaram a sua presença na Expo Ozaka 2025.

 

Desta lista fazem parte países como Portugal, Angola, Afeganistão, Brasil, Cuba, Alemanha, Índia, Itália, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Turquia, EUA, Espanha, Sérvia, Rússia, Senegal e Roménia.

 

Kikuchi, que falava no pavilhão japonês na Expo Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, recordou que em 1970 o país organizou uma Expo, num recinto que tinha o dobro do tamanho daquele que foi escolhido para a edição de 2025, que vai decorrer entre abril e outubro.

 

“Cada Expo só tem seis meses e depois desse período os pavilhões são demolidos. Os pavilhões grandes aplicam-se a um espaço grande, mas os pavilhões pequenos também permitem demonstrações grandes”, sublinhou Junichi Kikuchi, explicando a aposta num “formato compacto”.

 

A próxima exposição mundial vai decorrer na Yumeshima Island, conhecida como a “ilha dos sonhos”, e terá como mote “Designing Future Society for Our Lives” (Projetando a Sociedade do Futuro para as nossas Vidas), destacando ainda os subtemas salvar, empoderar e ligar vidas.

 

Modelo de Sociedade 5.0 entre o real e virtual

 

Ozaka vai privilegiar a tecnologia, desde logo com a criação de um ‘site’ que permitirá uma experiência virtual da Expo, focada num “modelo realista para a sociedade 5.0”.

 

O objetivo passa ainda por apresentar tecnologia neutra em carbono, disponibilizar entretenimento futurista, combinando o real com o virtual, e possibilitar que os visitantes usufruam de uma experiência de nova mobilidade, através de carros voadores.

 

“O Japão poderá apresentar um conjunto de espetáculos e demonstrar como a tecnologia pode ajudar a cuidar ou a salvar as pessoas, sobretudo, as mais idosas. Esperamos que os restantes participantes apresentem soluções que nos permitam ajudar a solucionar os problemas mundiais. A tecnologia estará presente em todos os pavilhões, sendo que cada participante privilegiará um estilo diferente”, apontou Junichi Kikuchi.

 

À agência Lusa, uma visitante da Expo Dubai, a escritora Reyke, natural de Tóquio, disse que “será muito difícil” alcançar a atual exposição, notando que está tudo “fantástico e calmo”.

 

No entanto, espera que em Ozaka “corra tudo bem” e, “caso tenha oportunidade”, quer visitar a Expo para experienciar a cultura dos outros países e conhecer novas pessoas.

 

Em Portugal, já se prepara a participação na próxima Expo, tal como confirmaram, esta sexta-feira, o Governo e a AICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal.

 

“Já se estão a discutir localizações dentro do próprio recinto da feira e, a partir do momento em que tivermos isso definido, iremos arrancar com todos os trabalhos preparatórios”, nomeadamente, a definição do conceito do Pavilhão de Portugal e a sua arquitetura, afirmou o presidente da AICEP, Luís Castro Henriques, no Dubai.

 

Por sua vez, o secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Francisco André, disse à Lusa que Osaka “vai ser um grande desafio”, apesar das “lições aprendidas” com a Expo Dubai para fazer “tão bem ou ainda melhor” do que já foi realizado na corrente edição.

 

A Associação Japonesa para a Exposição Mundial de 2025 foi criada em janeiro de 2019, em conjunto com o Governo e a comunidade empresarial.

 

Esta associação está encarregue de organizar o evento principal da Expo Ozaka, tendo ainda como meta contribuir para os objetivos de desenvolvimento sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU) e para o crescimento da indústria e cultura do Japão.

Partilhar