NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O roadshow contempla as cidades de Casablanca, Rabat e Tanger, o Fórum Económico Portugal-Marrocos, incluindo ateliers temáticos e reuniões b2b, destinados ao sector empresarial e associativo.

O projecto Next Step, promovido pela ANJE – Associação Nacional de Jovens Empresários, quer levar as PME portuguesas além-fronteiras. Em parceria com a AICEP e a CIP, a associação vai desenvolver em Marrocos, entre os 29 de Novembro e 1 de Dezembro, uma acção de promoção para as empresas de TIC nacionais. A iniciativa começa com uma campanha de imagem nos media locais, incluindo redes sociais, de uma montra TIC Portugal e ainda um roadshow no mercado de Marrocos. Em comunicado, a associação explica que «o grande desígnio desta acção é proporcionar oportunidades de negócio para as empresas portuguesas do sector da tecnologia».

 

O roadshow contempla as cidades de Casablanca, Rabat e Tanger, o Fórum Económico Portugal-Marrocos, incluindo ateliers temáticos e reuniões b2b, destinados ao sector empresarial e associativo. O custo de participação fixa-se nos 2500 euros e não inclui despesas de viagem e alojamento. No entanto, tanto este valor, como os restantes gastos, são comparticipados pelo projecto a 50%, sendo o valor reembolsado posteriormente.

 

Com esta campanha de promoção portuguesa nos principais meios económicos de Marrocos, online e offlline, os promotores querem alcançar três objectivos. Primeiro, apresentar o actual potencial de atracção do ecossistema tecnológico português, assim como identificar oportunidades de negócio para as associações e empresas portuguesas participantes no roadshow; segundo, projectar Portugal como parceiro privilegiado de Marrocos no sector TIC, através do reforço de parcerias entre os principais players do sector nacional e marroquino.

 

Marrocos na senda da economia digital

À businessIT, Nuno Ferreira, coordenador do projecto Next Step, diz que esta acção tem suscitado particular interesse junto das empresas de TIC, sendo que a missão será composta, no mínimo, por dez empresas. «Enquanto organizadores, a expectativa é sempre elevada e esperamos ter sempre um número significativo de participantes». O responsável garante que Marrocos está a «acelerar no desenvolvimento da sua economia digital em todos os sectores de actividade» e revela que, até agora, o feedback é positivo, «pelo número de empresas que têm mostrado interesse e nos têm contactado, colocando questões sobre o mercado, programa e condições de participação».

 

Segundo a ANJE, Marrocos é um dos mercados digitais com mais potencial do continente africano, dotado de uma população jovem e com elevada penetração de Internet e smartphones. «Além destas, existem outras razões para as empresas portuguesas exportarem, via comércio electrónico, para este mercado. Nomeadamente o facto de o e-commerce estar em crescimento através de marketplaces, haver um forte investimento no desenvolvimento dos serviços logísticos e um bom índice de penetração do smartphone».

 

Segundo dados fornecidos pela ANJE, prevê-se que, em 2025, as compras de e-commerce dos marroquinos atinjam cerca de 3,26 mil milhões de euros, um crescimento médio anual de 18,6% desde 2022. «Este ritmo é superior à média mundial (6,3%), e à média africana (13,3%), o que se explica pelo estado prematuro do comércio electrónico do mercado».

 

Nesta missão, o enfoque é essencialmente na melhoria da qualidade de vida dos serviços públicos, na melhoria da produtividade e da competitividade da economia nacional, na redução das iniquidades sociais e desenvolvimento de políticas públicas, incidindo sobretudo na inovação, na fiscalidade, na segurança, na Indústria 4.0, na mobilidade, nas smart cities, na saúde e no ensino, incluindo I&D. Assim, Nuno Ferreira considera que esta é uma «excelente oportunidade para as empresas portuguesas mostrarem o seu potencial e o seu know-how neste mercado que está em claro crescimento tecnológico».

Partilhar