NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Uma equipa de investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) da Universidade do Porto encontrou na comunicação entre células uma forma de travar a progressão do cancro do pâncreas. Descoberta já foi publicada numa das mais importantes revistas médicas de gastroenterologia e hepatologia.

De acordo com o comunicado citado pela agência Lusa, o que os investigadores perceberam foi que “em tumores pancreáticos, as células estaminais cancerígenas comunicam com as células do tumor, dando-lhes ordens para que o tumor cresça e resista à quimioterapia”.

 

Apesar de menos numerosas, “são as células estaminais as que mais comunicam com as outras células. São elas, aliás, que comandam e transmitem as diretrizes para o tumor poder sobreviver”, acrescenta a equipa.

 

O que os investigadores do i3S fizeram foi centrar-se nesta comunicação, feita através da secreção de vesículas extracelulares. Verificaram que, no interior das vesículas extracelulares, existe uma proteína, a Agrin, que, “quando enviada às outras células, impulsiona o tumor a crescer e a vencer as adversidades, nomeadamente, a quimioterapia”.

 

É essa comunicação que importa impedir, concluíram, e isso é possível fazer com recurso a moléculas inibidoras. “Utilizamos anticorpos para bloquear a proteína Agrin e verificamos igualmente uma desaceleração no crescimento do tumor”, acrescenta a investigadora líder da equipa, Sónia Melo.

 

A partir daqui, poderá haver dois caminhos na investigação: a “utilização de drogas para impedir a comunicação entre células cancerígenas” e “anticorpos para bloquear a proteína Agrin”.

 

Para a investigadora, os dois métodos “apresentam potencial como soluções terapêuticas a aplicar pelos clínicos aos doentes com cancro do pâncreas, com o objetivo de travar a progressão do tumor e minimizar a resistência terapêutica”.

 

Todos os anos, surgem em Portugal cerca de 1.800 casos de cancro do pâncreas, sendo um dos mais letais por ser, regra geral, detetado em fase já avançada da doença.

 

O trabalho do I3S, feito em colaboração com os hospitais da Luz e Beatriz Ângelo, decorreu no âmbito do Porto Comprehensive Cancer Center, um consórcio que, em parceria com o IPO, organizou no ano passado a Cimeira Europeia de Investigação na Área do Cancro. O ponto alto da conferência foi a apresentação da “Porto Declaration on Cancer Research”, que pretende encorajar as instâncias europeias no fortalecimento da investigação do cancro.

Partilhar