NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

As duas companhias vão avaliar a produção de hidrogénio verde em Sines: a Repsol para usar na sua refinaria, a EDP na produção de eletricidade.

A EDP e a Repsol forjaram uma parceria para avaliar oportunidades de investimento no hidrogénio verde na Península Ibérica. As companhias vão avaliar oportunidades em Sines, Astúrias e País Basco.

 

“O acordo assinala já três potenciais projetos para avaliação: um em Portugal e dois em Espanha. No primeiro caso, trata-se de explorar a produção de hidrogénio renovável em Sines, aproveitando a complementaridade da operação da Repsol na mesma localização, enquanto potencial utilizador do gás renovável, e o papel da EDP enquanto fornecedora de energia”, segundo o comunicado divulgado hoje pelas duas empresas.

 

Em Espanha, as energéticas identificaram dois projetos. “Em Espanha, foram identificados dois projetos. Um deles, liderado pela EDP, é o projeto de Aboño, onde se pretende criar o ‘Vale do Hidrogénio’ das Astúrias, um dos eixos do plano de transição energética previsto para esta província”.

 

No País Basco, a Repsol lidera o projeto de um “eletrolisador de larga escala, inserido no projeto do ‘Corredor de Hidrogénio Basco’. Identificados os primeiros projetos, as duas empresas reforçam assim o interesse em explorar sinergias na gestão e operação de projetos de hidrogénio renovável na Península Ibérica”.

 

“Esta parceria representa uma grande oportunidade para promover projetos decisivos na área do hidrogénio renovável na Península Ibérica. Ao juntar os melhores conhecimentos, equipas e experiência de duas grandes empresas, que também partilham ambiciosos objetivos de sustentabilidade, estou confiante de que vamos contribuir para uma transição energética mais rápida e eficiente”, de acordo com o presidente executivo da EDP, Miguel Stilwell d’Andrade que fechou o acordo esta semana com líder da Repsol, Josu Jon Imaz (na foto).

 

A EDP e Repsol já colaboraram em outros projetos anteriormente. As elétricas ibéricas são parceiras no projeto Windfloat Atlantic, o primeiro parque eólico offshore flutuante da Europa continental, localizado ao largo da costa de Viana do Castelo.

 

Os espanhóis contam com uma participação de 13,6% neste projeto, com a maioria a ser detido pela parceria entre a EDP Renováveis e Engie: a Ocean Winds.

Partilhar