NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Na União Europeia, 70% das raparigas entre os 16 e 19 anos revela competências digitais gerais básicas ou superiores. Hoje, 27 de abril, é o Dia Internacional das Raparigas nas TIC.

Mais de metade (52%) das mulheres na União Europeia (UE) possui competências digitais gerais básicas ou superiores, sendo essa percentagem substancialmente mais elevada (70%) nas raparigas entre os 16 e 19 anos. Em Portugal, esse valor é acima da média europeia, com 82,38% das mulheres mais jovens nesse patamar, indicam os dados do Eurostat referentes a 2021. Hoje, 27 de abril, é o Dia Internacional das Raparigas nas TIC.

 

Este dia realça a necessidade de “promover oportunidades de carreira na tecnologia para as raparigas e jovens mulheres no setor com maior crescimento mundial”, refere o Eurostat: “É particularmente importante realçar quão importante são as competências digitais são para as raparigas prosperarem em carreiras de ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM) e para se transformarem em utilizadores de ITC e criadores no mundo digital.”

 

Em 2021, mais de metade (54%) das pessoas na UE tinham competências digitais gerais básicas ou superiores, isto é, revelavam ter competências ao nível literacia de informação e data; de comunicação e colaboração; capacidade de criação de conteúdo digital; competências ao nível de segurança e de resolução de problemas.

 

Junto das mulheres da UE esse valor é na ordem dos 52%, mas entre as jovens entre os 16-19 essa percentagem sobe para 70%. Malta (96%), Croácia Finlândia (ambos com 93%), Chéquia (89%) e Áustria (87%) são os países onde essa percentagem é mais elevada.

 

No polo oposto estão países como a Alemanha e Roménia (ambos com 47%), Bulgária (51%), Itália (59%) e Luxemburgo (60%).

 

Portugal, regista 55,31% de pessoas com competências digitais gerais básicas ou superiores e 82,38% entre as mulheres de 16-19 anos.

 

“A percentagem de raparigas com competências digitais gerais básicas ou superiores era mais elevada em todos os países membros da UE do que a fatia de todos os indivíduos com o mesmo nível de competências. A única exceção é Luxemburgo (64% de todos os indivíduos vs 60% raparigas) e a Alemanha (49% vs 47%). Em 15 dos países membros da UE a diferença percentual entre raparigas com competências digitais gerais básicas ou superiores e a percentagem de todos os indivíduos era de 20 ou mais pontos percentuais mais elevada para as raparigas”, pode ler-se.

 

A UE tem como objetivo que, até 2030, 80% dos cidadãos entre os 16-74 anos tenham competências digitais gerais básicas ou superiores.

Partilhar