NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

As exportações portuguesas de metalurgia e metalomecânica somaram 1.964 milhões de euros no mês de novembro, o que traduz um crescimento homólogo de 9,7% e mais 0,8% face ao mesmo mês do ano pré-pandémico de 2019.

A mais exportadora indústria portuguesa superou a pandemia e bate recordes. "O mês de novembro de 2021 revelou-se como o melhor de sempre no que concerne a exportações do Metal Portugal", enfatiza a associação do setor.

 

No penúltimo mês de 2021, o setor português de metalurgia e metalomecânica registou um volume de exportações recorde de 1.964 milhões de euros, ultrapassando o anterior máximo que tinha sido atingido em março (1.926 milhões de euros).

"Esta marca é atingida num ano que começou numa tendência de crescimento constante, tendo sido mesmo atingidas 8 das 10 melhores marcas durante o período pandémico", realça a Associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins de Portugal (AIMMAP).

 

"O mês de novembro de 2021 entra, assim, na história das exportações do Metal Portugal, representado um crescimento face ao período homólogo de 9,7%, sendo que a comparação com período pré-pandémico também se revela como positivo, com um crescimento de 0,8% face a 2019", frisa a mesma associação.

 

A Metal Portugal é a marca utilizada por este setor nos mercados internacionais.


A AIMMAP salienta que "este crescimento face ao ano recorde de 2019 acontece num contexto em que a crise energética e dos combustíveis continua a afetar a ação das empresas do setor, bem como a subida galopante dos preços das matérias-primas, da escassez destas mesmas, e do aumento considerável do custo do transporte".

 

"Esta tendência de crescimento continua a dever-se a um crescimento considerável entre os meses de janeiro a novembro de 2021 de 42% face ao mesmo período de 2019 dos mercados extracomunitários como o Japão, China, Austrália, Marrocos, Turquia ou Austrália", sinaliza.

 

Uma diversificação geográfica que é acompanhada pelos mercados tradicionais, como Espanha, França, Itália, Reino Unido e Alemanha, que "mantêm a maior quota de exportações do Metal Portugal com 79,4%".

 

"Cada vez temos mais a certeza de que o ano de 2021 irá ser o ano recorde, superando o ano de 2019. Este é um registo que nos orgulha muito por conseguirmos denotar que as empresas superaram um conjunto de desafios nunca enfrentados em simultâneo, desde a crise pandémica aos aumentos de custos das matérias-primas, transportes, energia e combustíveis, bem como a dificuldade premente na contratação de mão-de-obra, fator essencial para corresponder à procura dos mercados externos", afirma Rafael Campos Pereira, vice-presidente da AIMMAP.

 

Para este dirigente associativo, "a performance impressionante do Metal Portugal revela uma grande resiliência das suas empresas, que se souberam reinventar neste período conturbado".

Partilhar