NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Com sede em Lisboa, a accounting boutique tem como sócios Pedro Alves, João Belchior e Nuno Santos, prestando serviços nas áreas da contabilidade, reporte de informação, fiscalidade e administrativa.

O grupo Apex, fornecedor global de serviços financeiros com 97 escritórios e mais de 12.000 funcionários em 39 países, anunciou esta segunda-feira a entrada no mercado português com a aquisição da lisboeta Watermark Consulting.

 

A partir da capital portuguesa, a empresa gerida por Pedro Alves, João Belchior e Nuno Santos, presta serviços nas áreas da contabilidade, reporte de informação, fiscalidade e finanças, tendo como clientes gestores de ativos, PME e multinacionais, ou investidores imobiliários.

 

“Estamos entusiasmados com as oportunidades que esta aquisição vai trazer, através da entrega da oferta multi jurisdicional e single source da Apex aos nossos clientes no mercado português”, indicam os partners da consultora portuguesa, citados num comunicado enviado às redações.

 

A PBBR prestou assessoria jurídica à Watermark Consulting, enquanto a Uria Menedez atuou como consultora do Apex Group, que salienta que esta aquisição vai permitir ao grupo beneficiar de “novas capacidades” e de “informações valiosas para a [sua] base global de clientes que desejam angariar e investir capital em Portugal”.

 

“Continuamos a ver oportunidades atraentes para uma maior consolidação e crescimento nos mercados do sul da Europa, nomeadamente em Portugal, que alcançou um crescimento pós-pandemia marcadamente mais elevado do que outras economias na Zona Euro”, resume Peter Hughes, fundador e CEO da multinacional sediada nas Bermudas e fundada em 2003.

 

Por outro lado, esta “aquisição estratégica” expande a presença do grupo no sul da Europa, onde passou a ter escritórios em Madrid e Valência (Espanha), através da aquisição do Grupo Sanne no ano passado. Além disso, destaca a Apex, o investimento em Lisboa “complementa as capacidades de língua portuguesa adquiridas” depois das compras da BRL Investimentos e da MAF no Brasil.

 

Em ECO

Partilhar