NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Qualificação de empresários e trabalhadores, internacionalização, apoio à exportação e investimento externo, empreendedorismo e economia digital, são os principais focos das operações conjuntas.

A AEP – Associação Empresarial de Portugal e a ANJE – Associação Nacional de Jovens Empresários, acabam de assinar um acordo para promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas nacionais, em especial das micro, pequenas e médias empresas.

 

Com o objetivo de reforçar a inovação, o empreendedorismo e o investimento empresarial, a AEP e ANJE vão cooperar, segundo avançam em comunicado conjunto, “através de iniciativas e projetos de gestão comuns, que apostam na criação de valor para as empresas suas associadas”.

 

Maximizando a capacidade das áreas estratégicas e de atuação que cada uma das associações dispõe, “o principal objetivo é desenvolver ações nas áreas da qualificação de empresários e trabalhadores (a nível nacional e internacional, com enfoque nos países de língua portuguesa), na internacionalização, apoio à exportação e investimento externo, no empreendedorismo e economia digital e, por último, na utilização de recursos técnicos e logísticos”.

 

Para o presidente da AEP, Luís Miguel Ribeiro, citado pelo comunicado, “a cooperação entre a AEP e ANJE é um bom exemplo de como duas instituições, que se complementam, podem criar sinergias que irão gerar ganhos de eficiência coletiva, sendo a cooperação um dos vetores que considero essenciais, não só no plano associativo, mas também ao nível das empresas”.

 

Já para o presidente da ANJE, José Pedro Freitas, “o acordo demonstra desde logo uma vontade de cooperação institucional que, infelizmente, não é ainda muito comum no associativismo empresarial português. Cooperação essa que, além do mais, envolve duas associações com inegável experiência associativa, visão empresarial e know-how económico. Estão, pois, reunidas as condições para que deste esforço comum resulte uma efetiva capacitação das empresas, a partir de fatores críticos como o capital humano, o conhecimento, a inovação, a transformação digital e a internacionalização”.

Partilhar