NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

De acordo com a REN, durante 149 horas seguidas (entre 31 de outubro e 6 de novembro) a energia produzida a partir de fontes renováveis foi superior às necessidades de consumo industrial e das famílias de todo o país.

Depois de em 2019 Portugal ter estado 131 horas seguidas a ser abastecido só com energia renovável, o país voltou agora a bater novos recordes: durante mais de seis dias consecutivos, foram, entre 31 de outubro e 6 de novembro, foram produzidos 1102 GWh, superando em 262 GWh o valor de consumo nacional para o mesmo período (840 GWh). 

Desta vez, e de acordo com os números da REN - Redes Energéticas Nacionais, durante 149 horas seguidas a energia produzida a partir de fontes renováveis foi superior às necessidades de consumo industrial e das famílias de todo o país.
 
Durante este tempo, foram batidos dois máximos históricos, diz a REN. O primeiro, entre as 22h00 de dia 31 de outubro e as 9h00 desta segunda-feira, 6 de novembro, em que a produção de energia renovável foi maior do que necessária para abastecer todo Sistema Elétrico Nacional (incluindo as necessidades de bombagem nas albufeiras hidroelétricas). Isto sem que tenha sido necessário qualquer recurso a fontes de geração térmica convencional, nomeadamente centrais de ciclo combinado a Gás Natural.
 

"Foram 131 horas consecutivas, quase triplicando o anterior recorde, datado de 2021, em que se manteve o registo durante 56 horas", de acordo com os dados.
 
O segundo valor máximo verificou-se entre as 10h00 do dia 1 de novembro e as 9h00 de 5 de novembro, e corresponde a 95 horas seguidas em que a produção renovável foi maior que o consumo, sem necessidade de recurso a Centrais de Ciclo Combinado a Gás Natural e com Portugal a exportar para Espanha, superando assim o anterior recorde de 52 horas, registado em 2018.
 
Para a REN, este números "confirmam que Portugal tem mantido uma trajetória sustentável na progressiva incorporação de fontes renováveis endógenas, mantendo os objetivos primordiais de segurança de abastecimento e de qualidade de serviço".

 

Em Jornal de Negócios

Partilhar