NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Novo programa do Turismo de Portugal conta com 19 parceiros e visa “acelerar a incorporação dos fatores ambientais, sociais e de governança nas empresas do setor”, de acordo com os objetivos de desenvolvimento sustentável.

O Turismo de Portugal espera a participação de 2.000 empresas no Programa Empresas Turismo 360, lançado esta quarta-feira, 10 de novembro, para “acelerar a incorporação dos fatores ambientais, sociais e de governança nas empresas do setor”, segundo Luís Araújo, presidente do instituto.

 

“Hoje, mais do que nunca, é essencial, e não é só uma questão de marketing, que as empresas se convertam a estes fatores”, afirmou o presidente do Turismo de Portugal na apresentação do programa, que nasce no âmbito do plano ‘Construir o Futuro, Reativar o Turismo’ e alinhado com os objetivos do desenvolvimento sustentável.

 

De acordo com o responsável, o Programa Empresas Turismo 360 foca-se “no fator social da sustentabilidade”, na “orientação das políticas empresariais que cada empresa do setor desenvolve”, mas também “na dimensão do planeta, a componente ambiental”, desafiando as empresas a adotarem práticas mais sustentáveis, naquele que é o primeiro objetivo da iniciativa.

 

Outros dos objetivos do programa, explicou Luís Araújo, passam por medir as práticas das empresas, de forma a que seja possível conhecer o “comportamento social e ambientalmente responsável do tecido social do turismo”; “fomentar modelos de negócio mais rentáveis”, assentes em serviços inovadores e autênticos; “catalisar ações educativas ao longo de toda a escala de valor” e “reunir os benefícios sócio-económicos que decorrem da incorporação destes objetivos e da construção de uma estratégia ESG – Environmental, Social and Corporate Governance”.

 

“As vantagens para as empresas são claras: capacitação, uma ferramenta de monitorização do desempenho que lhes vai permitir também aumentar a sua eficiência, obter um modelo de relatório de sustentabilidade adaptado às empresas do setor, acesso a fontes de financiamento diversificadas, desde o crowdfunding até ao acesso ao mercado de capitais ou iniciativas comunitárias, e o reconhecimento público”, resumiu o responsável.

 

No arranque deste programa, como explicou Luís Araújo, vai ser definido um “conjunto de indicadores essenciais” – numa tarefa que vai contar com a participação dos 19 parceiros que se associaram à iniciativa – e que devem ser depois adotados pelas empresas, sendo que as práticas que daí resultarem vão ser posteriormente medidas e dar lugar a um relatório de sustentabilidade. As empresas vão poder contar ainda com um plataforma que lhe vai permitir fazer elas próprias a monitorização da sua evolução.

 

Já a formação arranca em janeiro de 2022, através do programa de capacitação para executivos Best, e vão prolongar-se ao longo de todo o ano, enquanto a plataforma de monitorização chega em junho, seguindo-se a fase de apresentação de candidaturas, que terá lugar entre julho e setembro de 2022.

 

“Acreditamos que este é um dos projetos mais ambiciosos a nível nacional de transformação das empresas do setor e, hoje mais do que nunca, necessário para aquilo que queremos do nosso setor, um setor líder”, destacou ainda Luís Araújo durante a apresentação do programa.

 

Presente na iniciativa esteve também o ministro Adjunto, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, que sublinhou a importância da sustentabilidade para o turismo, um “setor que assenta na deslocação de pessoas”.

 

“Lidar com os desafios da sustentabilidade é uma necessidade estrutural do nosso turismo”, afirmou Pedro Siza Vieira, considerando que este programa “permite continuar a construir um setor robusto e sustentável no longo prazo”.

 

Já a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, que também esteve na cerimónia de lançamento do programa, sublinhou a importância da parceria público-privada que permitiu lançar o Empresas Turismo 360, e sublinhou a importância desta aposta para fazer do turismo um “melhor setor”, que sirva de exemplo cá dentro e também além-fronteiras.

 

“Portugal pode liderar e ser um farol para os outros setores de atividade e a nível internacional, junto dos destinos que concorrem connosco”, afirmou, admitindo que isso “vai custar, vai ser difícil”, mas que esse será o caminho rumo ao futuro.

 

Além do Turismo de Portugal, o programa conta com a participação da Confederação do Turismo de Portugal, APEE – Associação Portuguesa de Ética Empresarial, Global Compact Network Portugal, Euronext, Banco Português de Fomento, Millennium BCP, Novo Banco, Banco Português de Gestão, BPI, Santander, Crédito Agrícola, Montepio Geral, Caixa Geral de Depósitos, Abanca, Bankinter, EuroBic, GoParity e Ordem dos Contabilistas Certificados.

Partilhar