NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Termina hoje, 13 de janeiro, mais uma edição da feira de moda infantil Pitti Bimbo que decorre desde terça feira em Florença, Itália. Com mais de uma dezena de empresas portuguesas presentes, o certame ficou marcado por uma maior divulgação nas redes sociais e pelos bons contactos estabelecidos com clientes italianos.

Uma forte divulgação nas redes sociais e junto da comunicação social deram mote à edição 94 da Pitti Bimbo, que conta com a participação das portuguesas Wedoble, FS Baby, Cotton Moon, Crispim Abreu/Agata Ruiz de La Prada, Meia Pata e Beppi, apoiadas pelo projeto From Portugal. Com a pandemia a impor uma menor afluência de público, sobretudo de compradores internacionais, a feira trouxe às marcas portuguesas, ainda assim, bons contactos e potenciais oportunidades de negócio.

 

Com uma localização privilegiada, junto à entrada de um dos pavilhões em frente ao stand da imprensa/influencers, a Meia Pata admite que esperava encontrar mais compradores internacionais no certame. “Já fizemos aqui em edições anteriores negócios com clientes da Rússia Japão, China, Estados Unidos e outros. Nesta edição vemos muita imprensa, o que é positivo, mas no que toca a compradores vemos basicamente italianos”, descreve Diogo Marques, responsável pelos mercados internacionais da marca portuguesa de moda infantil.

 

“Penso que o facto da feira realizar-se pela primeira vez à semana também não ajuda porque Florença é um destino turístico também. Ou seja, em edições anteriores, os compradores vinham trabalhar de quinta a sábado e depois aproveitavam para descansar e usufruir”, reflete ainda Diogo Marques, que espera concretizar negócios com alguns contactos estabelecidos pós-feira.

 

Pensamento idêntico tem a empresa portuguesa Crispim Abreu, proprietária em Portugal da licença da coleção infantil da marca Agata Ruiz de La Prada, a participar na Pitti Bimbo há mais de vinte edições. “A feira está com poucos compradores e a sua grande maioria são italianos, mas vamos esperar pelo final do dia para fazer um balanço”, diz Ricardo Sousa, comercial da marca que este ano apresenta uma coleção inspirada nos anos 70 com calças à boca de sino, coletes e um estilo retro.

 

Quem se estreia em absoluto nas feiras internacionais é a Cotton Moon, para quem esta edição da Pitti Bimbo está a corresponder à vontade de dar a conhecer a marca ao mundo. “Reconhecemos que está pouca gente, mas os contactos que temos estabelecido são muito bons. Vemos também muita imprensa e influencers e por isso estamos satisfeitas”, explica Susana Cunha de Guimarães.

 

Para além da Meia Pata, Crispim Abreu/Agata Ruiz de La Prada e Cotton Moon, participam até hoje na Pitti Bimbo as portuguesas FS Baby, Wedoble e Beppi. A presença das PME portuguesas nas feiras internacionais conta com o apoio do From Portugal, o projeto da Selectiva Moda e da ATP – Associação Têxtil e Vestuário de Portugal que visa promover a internacionalização das empresas portuguesas da área da Moda. O projeto é co-financiado pelo Portugal 2020, no âmbito do Compete 2020 – Programa Operacional da Competitividade e Internacionalização, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

Partilhar