NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O fabricante automóvel japonês tinha como objetivo produzir 900.000 veículos no próximo mês, de acordo com o plano de produção, mas agora prevê fabricar cerca de 500.000 unidades.

A Toyota vai reduzir a produção global em 40% em setembro face ao plano anterior devido às dificuldades no fornecimento de ‘chips’ e outras componentes, revelou esta quinta-feira o diário económico Nikkei, citado pela agência espanhola EFE.

 

O fabricante automóvel japonês tinha como objetivo produzir 900.000 veículos no próximo mês, de acordo com o plano de produção, mas agora prevê fabricar cerca de 500.000 unidades, salientou o jornal.

 

A razão principal para esta medida por parte da Toyota prende-se com o impacto causado pela subida dos preços dos ‘chips’ ao nível da sua cadeia de fornecimento e com impacto do aumento da expansão da variante Delta do novo vírus no sudeste asiático, a qual está a ter consequências negativas na cadeia de fornecimento de componentes.

 

O corte na produção vai levar à suspensão temporária de algumas das suas linhas de montagem em diversas fábricas no Japão, refere o diário citado pela agência EFE.

 

De facto, a empresa enviou um calendário com a paralisação de 12 fábricas nacionais e indicou os modelos que seriam afetados, cerca de 50, mas, apesar de questionada pela EFE, nada disse sobre as restantes operações.

 

De acordo com o Nikkei, alguns cortes ocorrerão também nas fábricas que o grupo tem na América do Norte, China e na Europa, mas o diário não forneceu números concretos sobre este assunto e o fabricante ainda não emitiu qualquer declaração oficial a este respeito.

 

Com este corte, a produção da Toyota em setembro será menor do que as 840.000 unidades produzidas em igual mês do ano passado.

Partilhar