NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Todas as ilhas registam crescimentos positivos no desembarque de passageiros, exceto a Graciosa.

Os Açores registaram em julho um crescimento de 10,5%, em relação ao mês anterior, no desembarque de passageiros nos aeroportos da região, totalizando 279.118, anunciou o Serviço Regional de Estatística.

 

De acordo com o Serviço Regional de Estatística dos Açores (SREA), os passageiros desembarcados com origem em outras regiões do território nacional atingiram os 106.834, interilhas 125.757 e internacionais 46.527.

 

O número de passageiros embarcados ascendeu aos 262.153, o que representa um aumento de 11,1%.

Verifica-se uma variação homóloga positiva de 8,8% dos passageiros embarcados nos voos interilhas, 9,2% nos voos territoriais e 23,6% nos voos internacionais, segundo a mesma fonte.

 

Quanto ao desembarque de passageiros, também por tipologia de voo, ocorreu um aumento mensal homólogo de 9,0% nos voos interilhas, 10,9% nos voos do continente e da Madeira e 14,2% nos voos internacionais.

 

Segundo o SREA, todas as ilhas registam crescimentos homólogos positivos no desembarque de passageiros, exceto a Graciosa (-0,4%).

 

São Jorge foi a ilha que mais cresceu (15,7%), seguindo-se o Pico (14,4%), Corvo (12,1%), Terceira (11,3%), Santa Maria (10,6%), São Miguel (10,4%), Faial (8,8%) e Flores (6,3%).

 

O Governo dos Açores aprovou, entretanto, a revisão do Plano Estratégico e de Marketing para o Turismo dos Açores (PEMTA) para 2023-2030, que inclui o posicionamento do território "enquanto destino turístico sustentável", anunciou na semana transata a secretária Regional da Saúde e Desporto, Mónica Seidi, na sequência de uma reunião do Conselho do Governo.

 

"A pandemia de ​​​​​​​covid-19 interrompeu, em 2020, a trajetória de crescimento e desenvolvimento turístico que se registava na região, conduzindo à necessidade da recuperação imediata do destino e demonstrando a premência da formulação de uma nova estratégia para o futuro deste setor", disse, na altura, Mónica Seidi.

 

Em Dinheiro Vivo

Partilhar