NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O Alentejo vai aumentar a produção de vinho, pelo menos é essa a expetativa dos produtores. Os produtores de vinho da região do Alentejo esperam um aumento de produção de uva entre os 8% e os 15%, avança o portal Agricultura e Mar Actual. Devido à pandemia de covid-19, os produtores definiram planos de contingência, seguindo as diretrizes da Direção-Geral de Saúde (DGS), mantendo a proteção e o distanciamento entre os trabalhadores, além de reforçarem as medidas de desinfeção da maquinaria utilizada.

Dorina Lindemann, enóloga e administradora da Quinta da Plansel, em Montemor-o-Novo, espera “superar em mais de 10% os 500.000 kg de uvas de 2019, estando alinhados com a tendência geral da região do Alentejo que também espera aumento de quantidade”.

 

Já em termos de expetativas de qualidade, Dorina Lindemann diz que 2019 “já foi um vinho particularmente bom para os tintos, mas 2020 promete o mesmo nível, ou talvez ainda melhor”.

 

Na Quinta da Plansel, 60% da vindima é feita à mão, pela equipa tradicionalmente dedicada aos Viveiros Plansel. Os restantes 40% da vindima são feitos automaticamente pela Vindimor Plansel, segmento do grupo dedicado à maquinaria de viticultura.

 

Na Sociedade Agrícola de Pias, Renato Neves, responsável pela enologia e viticultura da SA Pias, diz que “a nossa vindima começou em julho, dia 17, com alguma uva da casta Chardonnay, cada vez mais precoce no Alentejo, e já não parou, continuámos com Verdelho e Arinto. As castas tintas começaram a ser vindimadas no dia 13 de agosto, Aragonês, e podemos considerar que entrámos em velocidade cruzeiro no passado dia 20, dia em que vindimámos também algum Alfrocheiro e alguma Trincadeira para Rosé”.

 

O responsável acrescenta ainda que “não prevemos abrandamentos, pensamos que a vindima vai ser rápida, uma vez que a maioria das castas já tem a maturação terminada, à exceção do Sousão, Cabernet-Sauvignon e Alicante-Bouschet. Contamos que nas próximas 3 semanas esteja tudo vindimado”.

 

Renato Neves diz ainda que, do ponto de vista quantitativo, 2020 “é um ano de produções ligeiramente acima da média, sendo os talhões de castas brancas os mais generosos no que a variação anual diz respeito”. O responsável sublinha também que “todos os anos são diferentes e o desafio é esse mesmo, há que tirar o maior proveito possível da uva de qualidade, e minimizar alguns aspetos menos bons da uva com menor potencial. Para conseguir vindimar os 1.400.000kG de uva que prevemos produzir em 2020, mais 8% que em 2019, contamos com uma vindimadora própria e com 22 pessoas divididas em duas equipas para vindimar à mão”.

Partilhar