NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Segundo estimativa do INE, a economia portuguesa terá observado uma contração de 7,6 por cento em 2020, a mais severa desde 1996, devido aos efeitos da atual crise pandémica na atividade económica.

No âmbito das relações económicas externas, com base em dados do INE e do Banco de Portugal, registou-se, no ano passado, uma quebra de 10,2 por cento na exportação de bens e de 37,2 por cento na de serviços, com as receitas de turismo a contraírem 57,6 por cento.

 

De notar, a redução de 6,0 mil milhões de euros do défice comercial nos bens que, no entanto, não compensou a quebra de 9,2 mil milhões de euros verificada no excedente da balança de serviços.

 

Em termos globais, a balança comercial portuguesa do agregado de bens e serviços passou de um superavit de 1,6 mil milhões de euros em 2019 para um saldo negativo de 3,6 mil milhões de euros em 2020.

 

Também ao nível do investimento direto de Portugal com o exterior (IDPE), se observaram reduções nos fluxos de ID de Portugal no exterior (-985 milhões de euros; tvh -33,0 por cento) e do exterior em Portugal (IDE) (-5,3 mil milhões de euros; tvh -48,7 por cento). No final de dezembro de 2020 o stock de IDPE ascendia a 51,6 mil milhões de euros e o de IDE a 149,6 mil milhões de euros.

 

Consulte os indicadores económicos aqui.

Partilhar