NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

A Ocean Winds, empresa da EDP Renováveis e a Engie, garantiu um contrato a 20 anos nos EUA para fornecer energia eólica 'offshore' limpa a Massachusetts.

A Ocean Winds, detida pela EDP Renováveis e a Engie, assegurou um contrato de aquisição de energia a 20 anos para 400 MW nos Estados Unidos para fornecer energia eólica ‘offshore’ limpa a Massachusetts, foi esta sexta-feira anunciado.

 

Num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a EDP Renováveis refere que estes 400 MW de Contrato de Aquisição de Energia (CAE), através da Mayflower Wind Energy LLC, vêm juntar-se aos 804 MW já assegurados e anunciados em outubro de 2019.

 

No total, a Mayflower – uma ‘joint-venture’ atualmente detida em 50% pela Ocean Winds (OW) e pela Shell New Energies US LL, tem agora 1.204 MW de capacidade assegurada.

 

Na informação enviada ao mercado, a empresa refere que com este anúncio a EDP “aumenta a sua visibilidade no crescimento de eólico ‘offshore‘ (no mar) com 0,5 GW de capacidade em operação e 3,5 GW de capacidade assegurada a ser instalada” e como consequência, amplifica e diversifica “as opções de crescimento rentável a longo-prazo da EDP mantendo também um perfil de risco balanceado”.

 

Em julho de 2020, a EDP Renováveis e a francesa Engie anunciaram o lançamento de uma nova sociedade, a Ocean Winds, controlada em partes iguais pelos dois grupos (50%/50%).

 

“A nova sociedade, sediada em Madrid, será o instrumento exclusivo de investimento em oportunidades de energia eólica ‘offshore’ a nível mundial e é a primeira marca a ser criada com recurso ao som do vento em mar alto”, lê-se num comunicado então divulgado.

 

Esta ‘joint-venture’, no setor da energia eólica fixa e flutuante, “será o instrumento de investimento exclusivo para captar as oportunidades de energia eólica ‘offshore’ a nível mundial e irá tornar-se num dos cinco principais operadores mundiais, ao combinar a capacidade industrial e de desenvolvimento da EDP Renováveis e da Engie”, asseguraram os dois grupos, no comunicado.

 

A empresa tem como objetivo os “mercados da Europa, Estados Unidos e algumas regiões da Ásia, de onde deverá vir a maioria do crescimento”, referiam então as duas acionistas.

Partilhar