NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

As fontes renováveis deram um maior contributo ao sistema elétrico no mês de outubro, abastecendo mais de dois terços do consumo nacional, que registou um crescimento homólogo de 3,1%, segundo a REN.

As fontes renováveis abasteceram 67% do consumo de eletricidade do país em outubro, informou esta sexta-feira a REN - Redes Energéticas Nacionais em comunicado. A produção não renovável contribuiu com 17% e as importações de Espanha com os restantes 16%.

 

De acordo com a REN, o consumo de eletricidade em outubro subiu 3,1% face ao mesmo mês do ano passado, ou 2,1% com a correção dos efeitos de temperatura e dias úteis.

 

A energia hidroelétrica teve um índice de produtibilidade 75% acima da média histórica, ao passo que a energia eólica teve um registo 22% acima da sua média. Houve, nota a REN, novos máximos históricos de potência eólica entregue à rede e de produção diária, conforme o Expresso revelou a 22 de outubro.

 

Já na energia fotovoltaica, o índice de produtibilidade ficou-se pelos 0,84, ou seja, 16% abaixo da média.

 

Considerando o total dos primeiros 10 meses do ano, a produção renovável abasteceu 56% do consumo, repartida pela eólica com 24%, hidroelétrica com 18%, fotovoltaica com 8% e biomassa com 6%. A produção a gás natural abasteceu 21% do consumo enquanto os restantes 23% corresponderam a eletricidade importada.

 

“Nos primeiros dez meses o consumo está praticamente em linha com o registado no mesmo período do ano anterior, com uma descida de 0,1% (menos 0,2% com correção da temperatura e dias úteis)”, refere a REN.

 

CONSUMO DE GÁS NO NÍVEL MAIS BAIXO DESDE 2006

 

No mercado de gás natural, manteve-se a tendência de redução do consumo, com uma descida de 27% em outubro, em termos homólogos, informou a REN.

 

O consumo de gás para a produção de eletricidade caiu 50%, devido à elevada disponibilidade de fontes renováveis, ao passo que o segmento convencional (abastecimento de gás às empresas e famílias) teve uma descida de 6%.

 

“De janeiro a outubro, o consumo de gás natural registou uma descida homóloga de 20%, com menos 39% no segmento de produção de energia elétrica e de menos 4,3% no segmento convencional. Este consumo global de gás é o mais baixo desde 2006”, explica a REN.

 

Em Expresso

Partilhar