NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O miniprograma foi lançado no WeChat, aplicação chinesa que funciona como rede social, para promover a gastronomia, pontos turísticos ou festividades portuguesas.

O Turismo de Portugal lançou hoje um miniprograma acessível a partir do WeChat, aplicação chinesa que funciona como rede social e carteira digital, visando promover a gastronomia, pontos turísticos ou festividades portuguesas no maior mercado do mundo.

 

“É um motor de busca 100% dedicado a Portugal”, descreveu Tiago Brito, o representante permanente do Turismo de Portugal na China, à agência Lusa.

 

“O alvo é sobretudo o consumidor final, e não tanto grupos organizados”, afirmou.

 

O conteúdo do miniprograma está todo traduzido para chinês e é composto por 750 pontos de interesse divididos por regiões, incluindo atrações turísticas, entretenimento, compras, gastronomia ou hotelaria.

 

Um clique, por exemplo, na secção Porto e Norte permite conhecer os principiais pontos turísticos da região, desde o centro histórico portuense ao Parque Natural de Montesinho, situado no nordeste transmontano. Na subsecção Gastronomia e Vinhos, surgem apresentações em chinês sobre a posta à mirandesa, francesinha, bacalhau à Brás ou a Rota dos Vinhos Verdes.

 

Criado em 2011 pelo gigante chinês da Internet Tencent, o WeChat é hoje indispensável no dia-a-dia na China, unindo as funções de rede social, serviço de mensagens instantâneas e carteira digital. Diferentes estimativas colocam o número de utilizadores ativos da ‘app’ no país asiático em mais de 800 milhões.

 

A iniciativa ilustra os esforços das autoridades portuguesas para gerar mais valor na China, o maior emissor de turistas do mundo.

 

Em 2019, o último ano antes da pandemia, 155 milhões de chineses viajaram para o exterior, de acordo com uma análise do banco de investimento norte-americano Citigroup. No total, os turistas oriundos da China continental gastaram 255 mil milhões de dólares (236 mil milhões de euros) além-fronteiras.

 

Mas a China manteve as fronteiras encerradas durante quase três anos, no âmbito da política de “zero casos” de Covid-19, que foi abandonada em dezembro passado.

 

Após a reabertura, as autoridades chinesas incluíram Portugal num segundo lote de países para onde passaram a permitir a realização de viagens de turismo em grupo.

 

“O objetivo é crescer em valor: queremos que os turistas chineses retomem a procura por Portugal, mas queremos essencialmente que eles fiquem mais tempo no país”, frisou Tiago Brito.

 

O responsável explicou que, em média, o hóspede chinês fica menos de duas noites em Portugal. “Nós queremos influenciar a procura ou qualificar a procura para que fiquem mais tempo, conheçam melhor Portugal e gerem mais receita para o país, o que nos ajudará a equilibrar a balança comercial com a China”, disse.

 

Segundo dados facultados à Lusa pelo representante permanente do Turismo de Portugal na China, mais de 385 mil chineses visitaram Portugal em 2019, o último ano antes da pandemia.

 

Os turistas oriundos da China gastaram, no total, 224 milhões de euros no país, um crescimento de 20%, face a 2018.

A ligação aérea entre Portugal e a China está a ser feita apenas duas vezes por semana. Até ao início da pandemia, o voo realizava-se três vezes por semana.

 

A companhia aérea Beijing Capital Airlines, que opera a ligação, previu à Lusa que a reposição da frequência original deve ser feita ao longo deste ano, dependendo do aumento da procura.

 

A escassez de voos comerciais para a Europa, os muitos chineses com passaportes expirados ou sem visto Schengen ou os receios com insegurança no exterior significam que o impacto da reabertura da China pode levar algum tempo para se materializar.

 

O Instituto de Pesquisa de Turismo Externo da China estimou que 18 milhões de turistas chineses vão viajar além-fronteiras no primeiro semestre do ano, seguidos por 40 milhões no segundo.

Partilhar