NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde declarou hoje o fim da emergência global para a Covid-19 a nível global, aceitando a recomendação do comité de emergência.

"É com grande esperança que declaro o fim da Covid-19 como emergência de saúde global. No entanto, isto não significa que a Covid-19 deixou de ser uma ameaça global à saúde", afirmou Tedros Adhanom Ghebreyesus em conferência de imprensa.
"No último ano, o comité de emergência e a Organização Mundial da Saúde (OMS) têm estado a analisar dos dados com cuidado, considerando quando seria o tempo certo para baixar o nível de alarme. Ontem, o comité de emergência reuniu-se pela 15.ª vez e recomendou-me que declarasse o fim da emergência global. Eu aceitei esse conselho", acrescentou o diretor geral da OMS.

"Na última semana, a Covid-19 reclamou vidas a cada três minutos e estas são apenas as mortes que sabemos. Atualmente, milhares de pessoas em todo o mundo estão a lutar pela vida nos cuidados intensivos e outros milhões continuam a viver com os efeitos debilitantes da condição pós-Covid-19", alertou o diretor-geral da OMS.
 
De acordo com Tedros Adhanom Ghebreyesus, o coronavírus SARS-CoV-2 "está para ficar" e continua a evoluir, o que faz com que permaneça o risco do surgimento de novas variantes eventualmente causadoras de surtos e mortes.

"O pior que cada país pode fazer agora é usar esta notícia como razão para baixar a guarda, para desmantelar os sistemas que tem montado ou para mandar a mensagem aos cidadãos que não têm nada com que se preocupar", afirmou o responsável da organização com sede em Genebra.

Tedros Adhanom Ghebreyesus explicou ainda que a decisão agora tomada significa que, na prática, os países podem passar do "modo de emergência para a gestão da covid-19" em simultâneo com outras doenças infecciosas.
 
A PHEIC é o nível mais alto de alerta e aplica-se a "um evento extraordinário, grave, repentino, incomum ou inesperado", com implicações para a saúde pública para além da fronteira nacional de um Estado afetado e que pode exigir uma ação internacional imediata.

Segundo os dados mais recentes da OMS, a pandemia já provocou mais de 765 milhões de casos confirmados de infeção e mais de 6,9 milhões de mortos a nível mundial reportados oficialmente, mas o diretor-geral admitiu hoje que o número real de óbitos possa ser de "pelo menos 20 milhões".

Notícia corrigida no título para indicar que o que a OMS declarou foi o fim da emergência global relacionada com a pandemia.

Partilhar