NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O secretário de Estado da Internacionalização português anunciou que o Plano de Ações de Promoção Externa do país para este ano prevê a realização de 766 eventos no estrangeiro, 25 dos quais na China.

Em entrevista ao Dinheiro Vivo, Eurico Brilhante Dias acrescentou que o Governo prevê para este ano 1.796 mil milhões de euros em investimento estrangeiro, os quais serão responsáveis por gerar 9.871 empregos.

 

“O caminho está suficientemente equipado para que possamos ter um bom 2021, superando a onda da Covid-19. Esperamos ter um segundo semestre mais concreto, que nos permita obter resultados semelhantes aos de 2019 e 2018”, disse Brilhante Dias.

 

O governante fala de “um círculo virtuoso de atração de investimento estrangeiro e exportação”, sendo a agroalimentar um dos poucos setores que não viu os embarques para o mercado externo caírem em 2020: 5,7 mil milhões de euros até novembro (+ 0,6%), mais 34,6 milhões de euros do que nos primeiros 11 meses de 2019, com o setor a aumentar o peso nas exportações de 10,3% para 11,6%.

 

2020 “foi um ano em que a solução de problemas teve de ser feita, inevitavelmente numa base digital”, adiantou Brilhante Dias, assinalando que isso incluiu o desbloqueio das exportações de carne de porco para a China.

 

Após o início da pandemia, 23 novos projetos foram finalizados com sucesso pela Agência de Investimento e Comércio Exterior (AICEP) portuguesa, nomeadamente em polos tecnológicos e produtos farmacêuticos.

 

Este ano, de acordo com o Plano Nacional de Ações de Promoção Externa, estão previstas 766 ações, cerca da metade (49%) para ocorrer até junho, em 100 países. Alemanha (77), França (64), EUA (61), Espanha (60), Itália (39), Reino Unido (32), Canadá (25) e China (25).

 

O grosso das ações será no setor agroalimentar (145), outras 120 serão multissetoriais, incluindo na moda (96), casa (79), vinhos (55), TIC (34), moldes (24), joalharia (23), construção e materiais (20), vestuário (20) e turismo, entre outros.

O Governo também está focado na melhoria da imagem da marca do país, sustentou Brilhante Dias.

 

A aposta de Portugal na Web Summit, startups, investimento estrangeiro em áreas tecnológicas, associadas ao setor automóvel, indústria de vacinas, é uma forma de a marca Portugal “se aproximar das economias mais desenvolvidas e tidas como as mais competitivas do mundo”, concluiu o secretário de Estado.

Partilhar