NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O volume de exportações de alimentos e bebidas do Reino Unido para a União Europeia caiu de forma “desastrosa” na primeira metade de 2021 por causa das barreiras comerciais decretadas com o Brexit, segundo o ‘The Guardian’.

Os produtores da Food and Drink Federation (FDF) foram penalizados em 2,33 mil de euros (2 mil milhões de libras) em vendas, uma quebra na receita que não foi compensada pelo aumento das vendas no mesmo período para países fora da UE, como a China e Austrália.

 

“O retorno ao crescimento das exportações para mercados fora da UE é uma notícia bem-vinda, mas não compensa a perda desastrosa de 2 mil milhões em vendas para a UE. Isso demonstra claramente as sérias dificuldades que os fabricantes da nossa indústria continuam a enfrentar e a necessidade urgente de suporte especializado adicional”, comentou o chefe de comércio internacional da FDF, Dominic Goudie.

 

O mesmo responsável alude a problemas na cadeia de abastecimento, para os quais contribuem fortemente a falta de condutores de veículos pesados e trabalhadores de armazéns.

 

“Ao mesmo tempo, estamos a ver a escassez de mão-de-obra em toda a cadeia de abastecimento de alimentos e bebidas do Reino Unido, resultando em espaços vazios nas prateleiras das lojas do Reino Unido, interrupções nas entregas e diminuição da produção”, continuou Goudie, sublinhando a necessidade de serem “tomadas medidas para resolver esses problemas”, dado que a capacidade das empresas de atender aos pedidos de exportação vitais será afetada.

 

As maiores quebras verificaram-se em lacticínios e carnes, com as exportações de carne bovina a caírem 37%, o queijo 34% e o leite e nata 19% no primeiro semestre deste ano, por comparação com o mesmo período de 2019.

Partilhar