NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O fabricante de aviões Airbus, que registou quedas de produção em 2020, anunciou hoje que vai produzir mais aparelhos A320 e A220 em 2023 do que antes do início da crise sanitária.

De acordo com um comunicado, o fabricante europeu informou os fornecedores para "se prepararem para o futuro" porque a empresa tem como objetivo fabricar 64 aviões A320 por mês "até ao segundo trimestre de 2023".

 

Antes da pandemia de SARS CoV-2, a Airbus produzia 60 aviões por mês pretendendo agora aumentar o fabrico para 63 aparelhos, mensalmente. 2

 

No início da pandemia, a Airbus anunciou uma redução de 40% da produção devido à incapacidade financeira das companhias de aviação em adquirir aparelhos. 

 

"O setor da aviação começa a recuperar da crise provocada pelo covid-19", disse o presidente executivo da Airbus Guillaume Faury, no mesmo comunicado.  

 

O fabricante "continua a contar, entre 2023 e 2025, com o regresso aos níveis alcançados antes da pandemia" para o mercado de aviões comerciais. 

 

A Airbus produz atualmente 40 aviões da série A320 (A319, A320 e A321) por mês e contra produzir 43 aparelhos por mês no terceiro trimestre e 45 no quarto trimestre. 

 

Assim, no quadro de uma previsão de recuperação do mercado, a Airbus pediu aos fornecedores para estabelecerem um "cenário" de produção correspondente a 70 aparelhos por mês até ao terceiro trimestre de 2024.

 

A longo prazo, a Airbus estuda as eventuais oportunidades de aumento da produção até 75 aviões por mês em 2025, refere o documento da empresa divulgado hoje.  

 

Os aviões da série A320 são produzidos em oito linhas de montagem: duas em Toulouse, França, quatro em Hamburgo, Alemanha, uma em Mobile, Estados Unidos e outra em Tianjin na República Popular da China. 

 

Neste contexto, o fabricante prevê a modernização, até ao fim de 2022, da linha de montagem de Toulouse, para os aviões A320 e A321. 

 

O A321, com 2.963 pedidos até ao final do passado mês de abril, representa metade da carteira de pedidos de aviões de corredor único da Airbus.

Partilhar