NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Os aeroportos portugueses geridos pela ANA/Vinci (todos à excepção da Terceira) tiveram um aumento em 7,1% ou 1,08 milhões de passageiros no primeiro quadrimestre, primeiro período do ano em que a comparação com o ano transacto não é distorcida por efeitos de calendário decorrentes de diferentes datas da Páscoa.

Dados a que o PressTUR teve acesso indicam que os dez aeroportos em Portugal geridos pela ANA/Vinci passaram, assim, pela primeira vez, a marca dos 16 milhões de passageiros nos primeiros quatro meses do ano, tendo alcançado um total de 16,22 milhões.

 

O Aeroporto de Lisboa foi o que mais contribuiu para essas marcas, ao registar um aumento de 473,3 mil passageiros (+5,6%), com o qual ficou ‘à beira’ de nove milhões de passageiros, em 8,93 milhões

 

O segundo maior contributo foi do Aeroporto do Porto, que teve um aumento de 329,1 mil passageiros (+9,6%) e atingiu 3,75 milhões, seguindo-se o Aeroporto de Faro, que até foi o que teve o crescimento mais forte entre os maiores aeroportos portugueses, com +11,2%, que significou um aumento de 190,3 mil passageiros, atingindo um total de 1,88 milhões.

 

O Funchal, quarto maior aeroporto português, teve um aumento de passageiros em 4,6% ou 444 mil, com o qual ficou ‘em cima’ do milhão no primeiro quadrimestre, com 999,97 mil, e Ponta Delgada teve um aumento de 41,7 mil passageiros (+8,8%), com o qual ultrapassou pela primeira vez o meio milhão no primeiro quadrimestre, tendo somado 515,4 mil.

 

Os dados a que o PressTUR teve acesso mostram que apesar de ‘lotado’ o Aeroporto de Lisboa teve quase 44% dos ‘novos’ passageiros nos aeroportos portugueses, o Porto teve quase 27%, Faro teve 11%, o Funchal teve cerca de 6% e Ponta Delgada, cerca de 3%.

 

Mas ainda assim Lisboa baixa a sua ‘fatia’ do total de passageiros em aeroportos portugueses, de 55,9% no primeiro quadrimestre de 2018 para 55,1% no primeiro quadrimestre deste ano.

 

Porto e Faro, pelo contrário, ganham quota, passando, respectivamente, de 22,6% para 23,1% e de 11,2% para 11,6%.

 

Já o Funchal também baixou ligeiramente, de 6,3% para 6,2%, e Ponta Delgada subiu 0,05 pontos, para 3,2%.

Partilhar