NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O Banco Central Europeu (BCE), anunciou em Abril que as taxas de juro permanecerão baixas durante todo o ano de 2019, mas o mercado espera uma retenção ainda maior, possivelmente até 2021. Portugal e Espanha continuam a ser os destinos mais atractivos para investir em imobiliário de luxo.

"O canal de transmissão da política monetária, mercados, taxas de juros, para o mercado imobiliário é muito mais fraco na Europa do que nos EUA", refere Frederik Ducrozet, estrategista global do banco privado suíço Pictet, à plataforma internacional Maison Global."É muito mais complicado na Europa - é muito diferente de um país para o outro", refere.

 

Hugo Thistlethwayte, director da área residencial internacional da Savills, acrescenta, "muito do sector de imóveis de luxo é, na verdade, impulsionado pelo património em vez de dívidas", disse . “A dívida é sempre vista porque pode ser conveniente ([usar), mas raramente é a força motriz por trás dela”.

 

Especialistas apontam para Espanha e Portugal como mercados atraentes para investimentos, onde os preços ainda estão a recuperar da crise no imobiliário de 2008.

 

"Os mercados espanhol e português estão preparados para um crescimento relativamente forte nos próximos 12 a 24 meses", refere Bailey, da Knight Frank. 

 

“As câmaras municipais nos mercados europeus estão cada vez mais a tentar atrair investidores globais para seus mercados”, acrescentou. “Eles vêem isso como uma maneira de dar início aos projectos de regeneração e ajudar a tornar as economias da cidade mais dinâmicas, encorajando os investidores ricos estrangeiros”.

 

Na Península Ibérica, grandes cidades como Lisboa, Madrid e Barcelona foram as primeiras a se recuperar da crise. Thistlethwayte revela que é um "grande crente" em cidades secundárias, como Valência e Sevilha, enquanto adverte contra outras capitais europeias, incluindo Paris, Londres e Amesterdão.

Partilhar