NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Economia norte-americana vai “colapsar” no segundo trimestre do ano, com uma queda do PIB de 12%. Bank of America vê os EUA a contrair-se em 0,8%, em 2020.

O Bank of America avisou os seus investidores de que os EUA já entraram em recessão, devido à pandemia do novo coronavírus, mas antecipa que a paralisia económica vá ter uma curta duração.

 

“Estamos a declarar oficialmente que a economia (dos EUA) caiu em recessão, juntando-se ao resto do mundo, e que se trata de uma profunda queda em que se vão perder empregos, vai ser destruída riqueza e vai cair a confiança”, escreveu a economista Michelle Meyer, do Bank of América, em nota aos investidores divulgada pela estação televisiva CNBC.

 

O banco calcula que a economia norte-americana vai “colapsar” no segundo trimestre do ano, com uma queda do produto interno bruto (PIB) de 12%, e que no conjunto do ano a produção económica deve contrair-se em 0,8%.

 

“Apesar de a diminuição ser severa, cremos que vai ser de muito curta duração”, acrescentou Meyer.

 

A economia dos EUA, que tinha começado 2019 com um crescimento próximo dos 3%, acabou o ano passado com um crescimento trimestral de 2,1% e saldou o conjunto do ano com uma expansão de 2,3%, valor considerado modesto, mas que agora está ameaçado pela epidemia de Covid-19.

 

Nas suas previsões, o Bank of America considerou que no segundo trimestre do ano vão perder-se cerca de um milhão de empregos por mês, o que vai fazer com que a taxa de desemprego, que em fevereiro foi de 3,5%, se duplique, o que refletirá “a dimensão do choque económico” que esta a sofrer com o novo coronavírus.

 

A expansão do novo coronavírus já gerou o pânico nos mercados bolsistas mundiais, e no que respeita a Wall Street os índices Dow Jones e S&P500 já caíram 30% dos recordes que tinham estabelecido no mês passado.

 

O Bank of America não é a única entidade que vaticina uma forte queda do PIB nos EUA, uma vez que o banco JP Morgan calcula uma contração de 14% no segundo trimestre do ano.

As previsões do Bank of América não antecipam o início da recuperação económica até abril, após o que espera “um regresso muito lento ao crescimento, e com a economia a normalizar-se em julho”.

 

À medida que a economia continue a enfrentar um território desconhecido, Meyer adiantou que a salvação vai vir de uma ação agressiva.

 

“Quando à resposta política, na nossa opinião, não deveria haver um limite superior para o tamanho do estímulo”, disse.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, infetou mais de 235 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 9.800 morreram.

 

Das pessoas infetadas, mais de 86.600 recuperaram da doença.

 

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se já por 177 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

Partilhar