NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Estão em apreciação mais 2.500 milhões de euros de investimento, anunciou o primeiro-ministro.

O primeiro-ministro António Costa salientou a diversificação de origem dos investidores estrangeiros em Portugal. "No quadro de incerteza, importante é que Portugal continua a ser um espaço de certeza, um porto de abrigo".

 

"Portugal orgulha-se de ser um país aberto ao mundo. É com gosto que acolhemos investimento estrangeiro", seja europeu, asiático, americano ou africano.

 

"É um bom dia para o nosso país", salientou o primeiro-ministro reafirmando ser o melhor ano dos 10 de existência da Aicep em termos de contratualizações de investimentos, em número de contratos e em volume de investimento. "É um bom sinal", até pelas condicionantes, admitiu, que o investimento público tem. Assim, o país pretende contar com o investimento privado. "É essencial que este ciclo de investimento se prolongue". E o investimento privado "é decisivo para melhorar a competitividade da economia e produtividade das empresas. O que faz a diferença não é o valor do salário, mas o valor do produto, do serviço prestado, a sua qualidade".

A Aicep contratualizou hoje projectos investimento de 400 milhões de euros com quatro empresas: Font Salem, Hanon, STE, Somincor e TMG são os investidores, que vão criar 315 postos de trabalho. Todos terão benefícios fiscais, cujo valor não foi especificado.

E, além de salientar o melhor ano da Aicep em 10 anos, o primeiro-ministro deixou o desafio para no próximo ano voltar a bater recorde e em 2020 também. António Costa garante que há em apreciação um volume de investimentos de 2.500 milhões de euros. 


Também o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, realçou a diversifidade de geografias e sectores dos investimentos. E admitiu que o Governo teria de rever em alta o objectivo de as exportações pesarem 50% do produto nacional.

Sobre o próximo ano, admitiu que "2019 será um ano marcado por incertezas no quadro europeu e internacional, mas em relação a Portugal não há nenhuma incerteza, o quadro é de estabilidade, previsibilidade, credibilidade e confiança".

Partilhar