NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) aprovou hoje o Documento de Estratégia do País referente a Moçambique entre 2018 e 2022, dando especial atenção à agricultura nos meios rurais, às infraestruturas e à diversificação económica.

"O setor agrícola em Moçambique desempenha um papel primordial na economia, particularmente do ponto de vista do crescimento rural, dado o seu grande, mas ainda por explorar, potencial para o agronegócio e as cadeias de valor no setor da agricultura", lê-se num comunicado do BAD disponibilizado hoje no site do banco.

 

"A falta de infraestrutura e apoio à transformação agrícola, no entanto, têm sido um obstáculo ao desenvolvimento de cadeias de valor e têm prejudicado as populações rurais o potencial agrícola do país", acrescenta-se no documento, que dá conta que a estratégia para os próximos cinco anos vai ajudar o país a melhorar o ambiente de negócios através de investimentos nas infraestruturas.

 

"A estratégia vai também ajudar a fomentar uma economia mais diversificada e competitiva, incentivar as atuais e futuras empresas do setor privado a envolverem-se com setores económicos com potencial para valor acrescentado e criação de emprego", acrescenta a nota.

 

O documento que define a estratégia do BAD para os apoios técnicos e financeiros a Moçambique vai também "centrar-se nos desafios ao desenvolvimento, principalmente nas áreas rurais onde a maioria da população depende da agricultura de subsistência e está desligada dos centros de crescimento económico".

 

Além disso, conclui o texto, o plano para os próximos cinco anos "vai apoiar a criação de um ambiente empresarial que fomente e incentive os setores privados através de investimentos nas infraestruturas de transporte e energia, abrindo o acesso aos mercados locais e regionais".

 

Desde o início das operações em Moçambique, em 1997, o BAD tem apoiado o desenvolvimento económico do país, centrando os apoios na agricultura, com 28% do total, na ordem dos 568 milhões de dólares, nos transportes (300 milhões que valem 15%) e em setores variados que representam 629 milhões e 31% dos apoios financeiros, que ultrapassam os 2 mil milhões de dólares.

Partilhar