NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Além de ter conseguido aumentar os lucros no ano fiscal de 2018, a Siemens Portugal registou um crescimento das vendas para 319 milhões de euros no mesmo período.

A Siemens Portugal conseguiu mais do que duplicar os lucros no ano fiscal de 2018. A empresa apresentou esta quarta-feira, 6 de fevereiro, um resultado positivo de 33,7 milhões de euros, beneficiando de um aumento das vendas no mesmo período.  

 

"No geral, a ‘performance’ da empresa foi bem-sucedida em toda a linha, particularmente nas áreas da automação e controlo industrial, das redes inteligentes e transição energética e das tecnologias para edifícios", refere Pedro Pires de Miranda, presidente executivo da Siemens Portugal, num comunicado enviado esta quarta-feira, 6 de fevereiro.

 

"O aumento das exportações, a 'performance' junto dos nossos clientes e o excelente desempenho das áreas operacionais de soluções tecnológicas e serviços contribuíram para o crescimento das vendas para os 319 milhões de euros e dos resultados líquidos para os 33,7 milhões de euros" entre outubro de 2017 e o final de setembro de 2018, diz ainda o responsável. Face ao período homólogo, os lucros cresceram 120,6%. 

 

Ao longo deste período, a empresa exportou para 56 países, alcançando os 122,8 milhões de euros em exportações. Isto traduz-se num crescimento de 4,6% em comparação com o mesmo período do ano anterior. "Estas englobam áreas como IoT, aplicações cloud, big data, análise de dados, cibersegurança, finanças, recursos humanos, imobiliário, entre outras", refere a Siemens.

 

Além disso, também a fábrica de Corroios contribuiu para as exportações da filial portuguesa, exportando 85% dos quadros elétricos que produziu para países como a Alemanha, Republica Checa, Holanda, Suíça, Bulgária, Áustria ou Bélgica.

 

Quanto ao futuro, o presidente executivo da Siemens Portugal garante que vão continuar a focar-se na "digitalização, nas parcerias com os nossos clientes, nos laboratórios aplicacionais, nas exportações e no crescimento dos centros de competência internacionais e reforço do Lisbon Tech Hub".

Partilhar