NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Segundo o último ‘outlook’ da OCDE, apesar de o país ter feito progressos na burocracia destes pequenos e médios negócios, os procedimentos administrativos e de licenciamento para mantêm-se mais difíceis quando comparado com a generalidade dos outros países-membros desta organização internacional.

Portugal, o país das pequenas e médias empresas (PME), continua a sê-lo, mas tem de simplificar-lhes a vida. A mensagem é dada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), no outlook de 2019 sobre empreendedorismo, divulgado esta segunda-feira. Em 2016 [últimos dados disponíveis], as PME portuguesas contribuíram para cerca de dois terços do valor acrescentado do país – tendo gerado 52,5 mil milhões de euros – e empregaram mais de três quartos da força de trabalho nacional (2,4 milhões de pessoas), de acordo com este relatório.

 

Mais aqui

Partilhar