NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Um projeto científico liderado por João Mano e Catarina Custódio (da Universidade de Aveiro), que propõe utilizar materiais à base de proteínas humanas como plataformas totalmente inovadoras e versáteis para a cultura de células em 3D, desenvolvimento de microtecidos e de modelos de doenças, é o vencedor do Prémio Inovação Bluepharma | Universidade de Coimbra 2019.

O galardão foi entregue esta terça-feira (7 de julho), na Sala do Senado da Reitoria da Universidade de Coimbra (UC), numa cerimónia presidida pelo Reitor da Universidade de Coimbra, Amílcar Falcão, e com a presença de Paulo Barradas Rebelo, Presidente da Bluepharma, empresa promotora do Prémio, e de Fernando Seabra Santos, Presidente do Júri (entre outras individualidades).

 

De acordo com os investigadores, o projeto foca-se no desenvolvimento de microambientes in vitro, que fornecem às células sinais bioquímicos e mecânicos que fazem parte de seu ambiente natural. Isto é conseguido através da manipulação de proteínas isoladas do plasma sanguíneo ou de tecidos perinatais para preparar uma nova geração de hidrogéis com propriedades mecânicas controladas capazes de encapsular praticamente qualquer tipo de célula. As matérias-primas, usadas neste projeto, derivadas de dadores humanos são facilmente acessíveis sem causar morbidade no local doador.

 

Esta tecnologia inovadora de microtecidos 3D humanizados abre uma série de possibilidades para o estudo de doenças e medicina personalizada e, portanto, abordagens terapêuticas direcionadas com alto potencial clínico e de translação.

 

A equipa deste projeto, que inclui também as investigadoras Sara Santos, Cátia Monteiro e Inês Deus, pretende desenvolver plataformas eficazes como modelos 3D de doenças para avaliar a toxicidade durante a descoberta e validação de fármacos, tendo ainda o potencial de reduzir o número de animais usados neste tipo de ensaios.

 

O projeto vencedor vai receber um prémio monetário de 20 mil euros, que no futuro poderá ainda traduzir-se num investimento suplementar de 30 mil euros. O júri do Prémio, constituído por alguns dos melhores investigadores do país, destaca a sua originalidade, inovação e potencial criação de valor para a sociedade, razão pela qual lhe atribuiu o primeiro lugar entre os 26 projetos concorrentes.

 

Com periodicidade bienal, o Prémio Inovação Bluepharma | Universidade de Coimbra visa distinguir projetos científicos de excelência ao nível internacional na área das Ciências da Saúde, que apresentem elevado potencial de transformação em produtos ou serviços, com real interesse para a sociedade.

 

O júri do Prémio Inovação Bluepharma | Universidade de Coimbra 2019, foi presidido por Fernando Seabra Santos (Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra) e formado ainda pelos investigadores Carlos Faro (Biocant), Luís Almeida (BlueClinical), Miguel Botto (Portugal Ventures) e Sérgio Simões (Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra e Bluepharma).

 

Criado em 2003 com o objetivo geral de contribuir para a divulgação e reconhecimento da investigação científica na área das ciências da saúde em Portugal, o Prémio Bluepharma / Universidade Coimbra premiou nas suas primeiras 8 edições investigadores com teses de doutoramento publicadas em Portugal.

 

Consistindo de um prémio monetário e na publicação de um livro contendo o trabalho dos investigadores, o prémio visava especificamente analisar a produção científica desenvolvida nas universidades portuguesas, dotando os seus premiados de condições para a sua divulgação para além da própria comunidade universitária.

Partilhar